O drama de uma família em Damasco

NA SÍRIA, Philippe Van Leeuw

"Vamos continuar a limpar o pó. Depois, preparamos o almoço." Estas duas simples orações são pronunciadas depois de se ouvir um bombardeamento que fez estremecer a casa. Uma mãe tenta restabelecer a "normalidade".

É sobre essa rotina mantida apesar do conflito armado exterior, em Damasco, que se debruça a câmara de Philippe Van Leeuw, retratando os movimentos de apenas um dia na casa de uma família síria.

Da janela só se vê destruição, e dentro das quatro paredes o realizador belga segue as suas personagens com uma ternura comovente - um véu de humanismo que envolve aqueles seres de alma frágil e corpo resistente.

Um filme que nos interpela pela sua verdade essencial, com uma delicadeza dramática que a qualquer momento se transforma no olhar mais cru e violento. É urgente ver Na Síria e perceber quão assustadora é aquela realidade.

Classificação: *** (Bom)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".