O divertimento solitário do realizador Pedro Almodóvar

O oscarizado cineasta espanhol mostra as suas naturezas mortas numa galeria em Madrid, até 31 de julho

"Oxalá a emoção permaneça na foto emoldurada, mas realmente basta-me que estas fotos sejam decorativas, que acompanhem os seus donos, que vivam com eles, e sejam testemunhas das suas vidas", escreve Pedro Almodóvar sobre as suas fotografias, composições de flores frescas, cerâmicas de vários tamanhos e cores - algumas bem almodovarianas - livros e frutas que protagonizam as suas fotografias. Até Pepito, o gato branco do realizador espanhol, foi cúmplice numa das imagens que figuram na exposição patente na galeria Marlborough, em Madrid. Valem entre 1300 e 1900 euros.

"Nota-se que está mais confiante. Vejo-o mais luminoso, mais ousado nos formatos". É a opinião não especializada, mas conhecedora, da atriz Rosy de Palma, chica Almodóvar dos tempos de Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988), na inauguração da na exposição na quinta-feira.
Sabe-o porque este na sua estreia, na Fresh Gallery, em setembro, quando pela primeira (e com fins de beneficência) revelou este hobby. "Sou fã desta faceta do Pedro e do facto de que esteja solitário em casa, a escrever, e escolha estes objetos fetichistas entre os milhares que tem", explica. "Estou à espera que use um objeto que lhe fiz e o incruste num deles", remata.

É um ambiente doméstico o que retrata, explica a diretora da Marlborough, curadora da exposição. "São objetos que estão diariamente na sua casa. Os seus livros, souvenirs, o gato, as flores que marcam a passagem do tempo, tão importante no cinema e nestas vidas interrompidas", afirma Belén Herrera Ottino.

Escreve o realizador: "Para começar a fazer fotos em casa e que a prática te vicie é preciso sentir-se só. Só naquele tipo de momentos em que podemos observar a luz que entra pela janela da cozinha e que o espetáculo te absorva até ao ponto de ir buscar uma câmara fotográfica e tentar capturar esse momento e essa luz". As imagens foram captadas enquanto escrevia o guião do próximo filme, Dolor y Gloria.
A diretora nota que está aqui quase toda a produção de Pedro Almodóvar, que descobriu há pouco mais de um ano. "Vi uma fotografia e acreditei ser de um artista realista que ele tanto gosta, mas reconheceu-me, com humildade, que era dele". São 27 naturezas mortas, um termo que o cineasta, 68 anos, não considera tão correto como o inglês, still life. "Os objetos estão sempre vivos, o mesmo acontece com a luz, no sentido em que são suscetíveis à passagem do tempo".

Vida Detenida acabaria por ser o título da exposição, que gerou curiosidade no mesmo momento em que foi anunciada. "É o grande realizador de cinema espanhol e essa admiração que temos pelo seu cinema e espero que também aconteça com o fotógrafo."

Almodóvar usa muitas vezes o mesmo lugar como cenário: uma bancada junto a uma parede azul com uma tomada de eletricidade. "Tinha de a usar. Estava ali". Essa curta explicação ao DN e um "estou muito contente" foram as únicas concessões do realizador ao plano de não falar à imprensa na inauguração, gorando as expectativas dos que queriam conhecer a sua opinião sobre o novo ministro da Cultura, Màxim Huerta, jornalista e antigo apresentador de day time da Telecinco espanhola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.