O dia do 8 e do 80, das filas, da chuva e da música pop

Eram esperadas 85 mil pessoas no Rock in Rio e cobriram todo o espaço disponível. Houve chuva e filas longas para tudo. Do cachorro, ao WC passando pelo sofá de plástico. O primeiro-ministro também lá esteve.

O dia em que mais pessoas foram ao Rock in Rio, o dia em que nem o primeiro-ministro António Costa quis falhar e apareceu pela tenda VIP, o dia em que houve filas para comer ou comprar uma camisola, e em que nem as casas de banho inteligentes valeram. Foi o dia de esperar duas horas e meia por um sofá de plástico que ainda havia de servir de guarda-chuva no concerto dos D.A.M.A. Ontem foi o dia em que o parque da Bela Vista encheu. Em que era quase impossível vislumbrar um pouco de chão. Em que viram mais velhos e crianças, anónimos e famosos (o ator Jorge Corrula a empurrar o carrinho com a filha, com a mulher, Paula Lobo Antunes), das famílias e dos grupos de amigos e dos adolescentes.

Ontem foi o dia de vestir para ir ao festival e para algumas pessoas fazer de conta era Coachella, o festival norte-americano conhecido por ditar tendências de moda no que diz respeito aos festivais de música: Pôr os jeans justos, as túnicas esvoaçantes, arriscar com t-shirts com brilhos. Foi o dia de usar coroas de flores e tranças no cabelo e o dia em que os ténis de marca reconhecida pelas suas três listas estiveram em maioria.

Sábado foi o dia para dançar como Mick Jagger, ao som dos Maroon 5, os cabeça de cartaz, foi o dia de D.A.M.A e de uma espécie de serenata à chuva, que acompanhou parte do concerto. Foi também o dia em que Ivete Sangalo cantou e em que foi confirmada a oitava edição portuguesa do Rock in Rio, em 2018. Se ela não vier para tirar o pé do chão, será inédito. A baiana tem estado em todas.

As 85 mil pessoas esperadas eram uma estimativa da organização, por confirmar à hora do fecho desta edição, mas credível, tendo em conta a multidão que encheu o parque da Bela Vista.

O quarto dia do evento foi o que mobilizou mais crianças por metro quadrado, e foi também o dia em que mais fotos foram tiradas junto à fonte na entrada principal e junto às letras, e respetivo #, onde se lê Rock in Rio. "Estamos na época das partilhas", notou Roberta Medina. "A gente tem de saber ver e tirar proveito", disse a gestora, anteontem, em declarações ao DN. Tornou-se ritual: chegar, fazer pose e boquinhas, tirar uma selfie, solitária ou em grupo.

As letras estão em local privilegiado, alto e sem perigo de afetar a visibilidade dos concertos. Foi lá que o DN descobriu Paula Dueñas, Laura Losada e Salomé Madrid, três colombianas a fazer mestrado em Barcelona que vieram de propósito a Lisboa para ver uma das bandas em cartaz. Qual? Os tops pretos com as palavras "Yes, please", denunciam-nas. Trata-se de uma parte da canção Sugar dos Maroon 5 e foi por Adam Levine e a sua banda que apanharam o avião. Tinham chegado ontem de manhã e vão ficar três dias. "Saber que eles vinham foi o detonante [para conhecer Lisboa]", diz Paula Dueñas.

É o nome mais mencionado no vox pop do DN pelo recinto e, desde logo por Mariana e pelos pais, Luísa e Jorge Coelho, que vieram do Brasil. Para ela, criança, era uma estreia ("muito legau", mas os pais têm vários RiR no currículo, entre eles, o primeiro, em 1986. "O ambiente é muito mais tranquilo, é mais fácil para chegar", disseram ao DN, enquanto esperavam por um lugar na roda gigante, uma das melhores vistas do festival e um dos locais mais frequentados, junto ao Palco Vodafone. Tinham mais 50 pessoa à frente e nenhuma intenção de desistir.

Duas horas e meia de espera, foi o que esperou um casal de Barcelos por dois sofás cheios de uma das marcas que mais gritam a sua presença no parque da Bela Vista. Eram o rosto da vitória, uma vez superada a prova. De longe, e a partir da colina, a fila era uma lagarta encaracolada de muitos metros. Tinham entrado poucos minutos antes no recinto e a viagem começou "às 5 da manhã". No caso de Carlos Araújo e de Glória Pedrosa, o cartaz não era a única fonte de atração. Preferem falar do "espaço e da experiência".

As portas abriram, como de costume (e como acontecerá hoje, derradeiro dia do festival), às 16.00, e muitos quiseram ser os primeiros, mas a maior enchente aconteceu cerca das 18.45. Às 19.00, o Palco Mundo arrancava com mais uma sessão de Rock in Rio - o Musical, o espetáculo com o ator português Isaac Alfaiate, que assinala os 30 anos deste evento nascido no Rio de Janeiro (onde a próxima edição acontece em setembro do próximo ano). Seguiram-se os D.A.M.A. que assim que se estrearam na qualidade de artistas depois de terem passado por aqui, em outras edições, como público. Foram os primeiros a serem brindados com a chuva, algo que não estava nos planos duas horas antes do concerto quando o DN os encontrou nos camarins para uma breve conversa.

Dos Maroon 5 nem sinal. O grupo estava marcado para as 23.45 e nem eles nem a sua equipa tinham ainda chegado. "Vamos partilhar o ar com Maroon 5", dizia, divertido, Francisco Pereira dos D.A.M.A., ao lado de Miguel Cristovinho, e sem Miguel Coimbra (a fazer uma massagem) e com Gabriel o Pensador a descansar após o sound check. "Uma das nossas exigências foi não nos encontrarmos com ele, se virem ele está numa zona reservada. Porquê? Porque nós pedimos!", brinca Francisco. "O Adam é muito intenso. Farta-se de ligar", continuam. Também ainda não se tinham cruzado com Ivete Sangalo, a cantora, que, segundo Miguel Cristovinho, as suas amigas realmente queriam ver. "As minhas maiores amigas de infância gostam mais de Ivete do que algum dia vão gostar de D.A.M.A.".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.