"O cinema, Manoel de Oliveira e eu", de João Botelho, estreia-se em outubro

O filme "O cinema, Manoel de Oliveira e eu", de João Botelho, vai ter estreia comercial a 13 de outubro, em sessões que contarão ainda com a curta-metragem "Ascensão", de Pedro Peralta, revelou a produtora.

Exibido pela primeira vez em abril no IndieLisboa, o filme é um documentário que tem lá dentro uma ficção, com João Botelho a expressar, através do cinema, a admiração por uma das referências cinematográficas dele: o cineasta Manoel de Oliveira, que morreu em 2015 aos 106 anos.

Antes de chegar aos cinemas, o filme vai ainda ser mostrado, fora de competição, em agosto no festival de cinema de Locarno, na Suíça, com a presença de João Botelho e de Leonor Silveira, uma das atrizes que mais trabalhou com Oliveira.

João Botelho é o narrador deste filme, no qual recorda como conheceu Manoel de Oliveira, quando ainda andava na escola de Cinema, e revela excertos de alguns dos filmes que mais estima, como Amor de Perdição, Vale Abraão e Palavra e Utopia.

Além de excertos comentados de obras de Oliveira, o filme conta ainda com uma cena de Conversa acabada (1981), a primeira 'longa' de João Botelho, na qual Manoel de Oliveira interpreta o papel de um padre.

"Como um pai, ensinava-me cinema", comenta João Botelho, na narração do filme.

"Não quis fazer o luto. Isto [fazer o filme] é mostrar a paixão, é lutar contra o esquecimento. É um documentário com as coisas de que mais gosto no cinema de Oliveira, sobre o que mais me impressionou", afirmou João Botelho à Lusa, quando o filme passou no IndieLisboa.

Dentro de O cinema, Manoel de Oliveira e eu, João Botelho incluiu um curto filme que rodou no final do ano passado, no Porto, chamado A rapariga das luvas, a partir de um argumento de Manoel de Oliveira, intitulado Prostituição ou a mulher que passa.

"Estava sempre a pensar em cinema e um dia contou-me uma história fantástica, passada no Porto, que nunca chegou a filmar. Fiz este filme com o que aprendi dele e com o que sou", afirmou.

Ascensão, a curta-metragem que será exibida em complemento na exibição comercial, valeu a Pedro Peralta um prémio no IndieLisboa.

O filme, exibido já em Cannes, regista o resgate de um homem que caiu dentro de um poço, no campo, ao nascer do dia. O realizador filmou o esforço dos camponeses na recuperação do corpo, o silêncio das mulheres que assistem e ainda a mãe que acolhe o filho nos braços. Tudo numa sequência de apenas três planos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.