O artista acima do homem

Beuys, Andres Veiel

Entrar no mundo artístico de um provocador, estar no corpo de um autor ou sentir a vertigem da criação. Neste documentário acerca da arte de Joseph Beuys, o mais importante escultor e "performer" alemão do final do século passado, não se tenta descobrir essa pólvora mas fica-se lá perto.

Presume-se que Andres Veiel não esteja muito preocupado com isso, o seu filme é sobretudo um discurso extrapolado de toda a herança artística de Beuys, das suas memórias quando era soldado alemão na Segunda Guerra Mundial aos acesos debates que manteve nos circuitos intelectuais na Alemanha.


Beuys vive de um dispositivo de imagens de arquivo e de composições com arquivo fotográfico. Não se perde por detalhes da vida pessoal do homem mas tal não impede o espetador de o ficar a conhecer bem. Dir-se-ia que é um filme para sacar o fã que há em nós da alquimia subversiva.

Classificação: *** Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.