"Ó Álvaro, anda cá ver isto", dizem os vizinhos de Siza

Tratam-no por tu no Bairro da Bouça, um dos quatro projetos de habitação social do arquiteto que estiveram na Bienal de Arquitetura de Veneza e chegam agora ao CCB

"Há uma senhora que diz: "Eu gostei muito de o conhecer, ele é uma pessoa como nós."" Ele é Álvaro Siza Vieira, que no ano passado fez um périplo pela Europa para reencontrar quatro obras suas de habitação social: no Campo di Marte em Veneza, Schlesisches Tor, em Berlim, no Schilderswijk, na Haia, e no Bairro da Bouça, no Porto. E se para o arquiteto a Bouça foi o início de tudo, foi no Campo di Marte, na vila operária Giudecca, que, no ano passado, tudo desembocou, por mote dos também arquitetos Nuno Grande e Roberto Cremascoli, que contavam a história.

Os dois falavam à entrada da exposição Neighbourhood - Where Álvaro meets Aldo, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, que mostra os quatro projetos de habitação social, a par das fotografias e vídeos que mostram Siza e os seus "vizinhos", habitantes daqueles bairros, ao longo desse périplo. Tudo isso esteve em exposição no ano passado na Bienal de Arquitetura de Veneza, onde Álvaro Siza foi o representante de Portugal e eles os comissários. Foram eles, também, que persuadiram o arquiteto, prémio Pritzker de 1992, a regressar àqueles bairros e a reencontrar os "vizinhos" que lá deixara há décadas, assim como os novos, que ele ainda não conhecia.

"Qual é o Pritzker que se daria ao trabalho de voltar ao local do crime? Aos lugares que projetou, ouvindo as queixas que os vizinhos fazem, voltando a explicar-lhes outra vez porque desenhou assim, ou pela primeira vez aos novos, e também ouvindo." Esses "locais de crime" que Nuno Grande referia, e que agora podem ser revisitados até 11 de fevereiro no CCB, estiveram antes expostos numa "obra que não era celebrada, era uma obra esquecida". Obra - que haveria de fazer as vezes de um pavilhão de Portugal que não existe - projetada por Siza para o Giudecca e cuja construção estava por acabar havia anos. Haveria de ser retomada após a exposição e, adiantou Nuno Grande, "no próximo ano 19 famílias terão as suas casas." "Para nós e para o Álvaro Siza esta foi a maior vitória", remata.

É em parte ali, na Giudecca, que se explica a segunda parte do nome desta exposição: Where Álvaro meets Aldo. Aldo é o arquiteto Aldo Rossi (1931-1997), também ele parte daquele projeto para o Campo di Marte que envolve ainda os arquitetos Rafael Moneo e Carlo Aymonino. Aos dois une-os isso, uma amizade, e, além de ambos terem sido convidados por Vittorio Gregotti (curiosamente coautor do edifício do CCB), para em 1976, exporem na mostra Europa-América, une-os também a visão que Rossi expôs no livro A Arquitetura da Cidade e que Siza herdou, como se vê nas obras em exposição: "É uma arquitetura aprendida a olhar para a cidade histórica, que incorpora no seu projeto a cultura e geografia desse lugar", afirma Nuno Grande.

Pela lente de Nicolò Galleazi, na "rua" esquerda da exposição, vemos Siza entre os seus vizinhos: um jovem arquiteto que foi surpreendido à chegada de casa por ele - "não podem imaginar a alegria", conta Nuno Grande -, um casal de revolucionários do Bairro da Bouça, uma família islâmica cujos miúdos fizeram cócegas a Siza Vieira. Nas fotografias de Jordi Burch vemos apenas esses vizinhos, nas suas vidas sem Siza, no lugar que Siza projetou para eles as viverem.

Durante a apresentação aos jornalistas, Roberto Cremascoli, descrevendo a forma como Siza falava com os habitantes, comparou-o a "um médico do campo ou um assistente social". Mais à frente, pedir-lhe-íamos que explicasse.

"Quando falamos disso pegamos numa citação do Pierluigi Nicolin, da revista Lotus: "O Álvaro era a única pessoa que ouvia, que sabia ouvir." É fundamental ouvir antes de falar. Como sabia ouvir, sabia dar respostas. Tinha uma paciência como poucas pessoas conseguem ter", conta Cremascoli, que fará a última visita guiada, a 27 de janeiro. Antes dele, e entre outros, a 2 de dezembro, será Marisa Matias; Ângela Ferreira e Jorge Sampaio guiarão a visita nos dias 13 e 20 de janeiro, respetivamente.

Nuno Grande, que fará a primeira a 25 deste mês, intervém: "Há uma história muito engraçada que ele conta no filme da Bouça. Ele estava a explicar para uma assembleia pós-25 de abril onde estavam praticamente só mulheres, numa noite - foram noites seguidas a explicar o que iam ser as casas - e ele está a falar do polibã. A maior parte das pessoas só conhecia a banheira, muitas delas nem tinham casa de banho em casa. As senhoras estavam um bocadinho desgostosas, elas queriam era ter uma banheira, mas ele não tinha espaço. Ele estava a explicar, elas estavam chateadas, sempre a ripostar, e de repente avançam dez mulheres com um cobertor para cima dele, e ele pensa: "Vão-me matar por causa do polibã." Ele estava a falar com um cigarro na mão, nessa altura os arquitetos usavam os cabelos compridos, e estava a queimá-lo. Repare como a tal timidez o leva a pensar que as pessoas estão contra ele. Não: as pessoas percebem. Ele é um arquiteto que sabe explicar a arquitetura."

Sobre as visitas ao Bairro da Bouça, que em 1976 ficou estagnado com o fim do programa SAAL e só ficaria terminado em 2006, Cremascoli diz que "é mais uma visita à família. Muitos deles dizem: "Recebemo-lo como um pai."" Nuno Grande acrescenta: "Ele vai lá muitas vezes. Já é um vizinho. Tratam-no por tu: "Ó Álvaro, anda cá ver isto." É um deles. A maior reverência é dos jovens arquitetos que foram para lá viver."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".