O 3.º piso do Museu de Arte Antiga tem mais um Tesouro Nacional

Quadro do século XV que o Estado comprou por 30 mil euros em leilão, a caminho da lista dos tesouros nacionais. Uma obra portuguesa rara, que está no MNAA

"É uma peça que já tratamos como cá da casa", diz satisfeito o diretor adjunto do Museu Nacional de Arte Antiga. Fala-nos do quadro Virgem com o Menino e Dois Anjos, com a porta entreaberta para ser classificado como Tesouro Nacional, após proposta da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), ontem publicada em Diário da República. "É como se já lá estivesse", diz José Alberto Seabra, lembrando a história atribulada de uma das raras obras portuguesas da segunda metade do século XVI. "Não estou eufórico mas estou muito feliz."

O quadro, óleo e têmpera sobre madeira, é atribuído ao Mestre de Santa Clara. A pintura chegou a ser dada como desaparecida. "Tinha sido vista pela última vez em 1940 neste museu e regressou para ficar com um novo estatuto que tem que ver com a sua raridade", refere. A obra surgiu num leilão do Palácio do Correio Velho, em 2015, com um valor-base de cinco mil euros. Acabou por ser comprada por 30 mil euros pela DGPC, num leilão muito disputado.

Após restauro, foi colocada há um ano na Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas, inaugurada nessa altura, no terceiro piso do museu da Rua das Janelas Verdes. "Está na sala de pintura do século XV. Este museu tinha obras do pintor mais importante desse tempo, Nuno Gonçalves, mas não tinha nenhuma obra do Mestre de Santa Clara", diz José Alberto Seabra. "Uma sala que já de si tem uma dúzia de Tesouros Nacionais", refere. "É uma sala muito forte deste ponto de vista. Sobram-nos muito poucas obras da segunda metade do século XV, devemos ter dezenas de pinturas de norte a sul do país, as de melhor qualidade estão no MNAA, nesta sala."

No site do museu, é referido que este inclui "o maior número de obras classificadas como "tesouros nacionais"". O diretor adjunto do MNAA é cauteloso nesta contabilidade, referindo que "o património não se mede aos palmos. "Sei que o Dr. António Carvalho, do Museu de Arqueologia, contesta essa conta. Do ponto de vista quantitativo é capaz de haver mais [tesouros nacionais] lá do que aqui. Do ponto de vista da quantidade estamos em segundo lugar. Do ponto de vista histórico e simbólico, de calhar estamos à frente", refere.

Portugal tem mais de mil obras classificadas como tesouro nacional, entre pintura, escultura, ourivesaria e peças arqueológicas, todas em coleções de museus públicos. Estas obras têm medidas especiais de proteção. Virgem com o Menino e Dois Anjos terá, após a classificação, "limitações de circulação e de empréstimo", lembra o diretor adjunto do MNAA.

Um pintor misterioso

Não se sabe exatamente quem foi o Mestre de Santa Clara a quem é atribuída a autoria desta obra, assume José Alberto Seabra. O pintor é também autor do políptico de Santa Clara-a-Velha de Coimbra, datado de cerca de 1486, atualmente no Museu Nacional Machado de Castro. Segundo informa o MNAA, a pintura do seu acervo "terá sido designada por Nossa Senhora da Graça, uma das mais populares devoções nas igrejas portuguesas no final da Idade Média. (...) O quadro sofreu alterações, não sendo claro tratar-se de um tríptico ou de três fragmentos de uma única pintura. Mesmo na construção material, o painel é algo invulgar, utilizando madeiras diferentes. Pode contudo associar-se ao pintor conhecido como Mestre de Santa Clara, por um tríptico feito para este convento de Coimbra, documentando assim uma oficina talvez sediada nessa cidade."

A proposta de classificação do quadro foi ontem publicada em Diário da República e é fundamentada numa deliberação favorável da Secção de Museus, da Conservação e Restauro e do Património Imaterial do Conselho Nacional de Cultura, datada de 8 de fevereiro de 2017.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?