Nuno Lopes e a dor da cidade noturna

"São Jorge", Marco Martins

A escuridão marca este filme como um calvário anunciado.

Nuno Lopes é o corpo que confronta outro corpo - a cidade noturna - extraindo-lhe um veemente conto moral. Depois da primeira colaboração com Marco Martins em 2005, Alice, aqui o voltamos a encontrar, na imponente expressão dramática de um pai que só deseja conseguir sustentar o filho.

Com a ação passada durante os anos da troika, São Jorge vai ao âmago da crise, aos rostos da decadência social, para falar de um país. Entre conversas de bairro, que nunca se afastam do tema do desemprego, e o retrato angustiante desse protagonista boxeur, que trabalha em cobranças presenciais na esperança de liquidar as suas próprias dívidas, o realizador leva-nos ao pântano da realidade. É nele que Jorge se vai afundando, com o olhar perdido no breu profundo. Um olhar que é nada menos que um abismo.

Classificação: ***

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.