Nunca houve tanta gente a ir ver espetáculos na Broadway

A temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, levou mais de 13,1 milhões de pessoas às produções da Broadway, em Nova Iorque: muitos musicais mas também outras peças.

No ano em que os cinemas atingiram mínimos de vinte anos e as audiências televisivas caíram nos Estados Unidos, a Broadway esmagou o mercado com o melhor resultado de sempre. Na temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, os teatros da Broadway, em Nova Iorque, bateram o recorde com 13,104 milhões de espectadores e 1,22 mil milhões de euros de receitas. Em ambos os casos, as subidas foram superiores a 7% em relação à temporada anterior, que já tinha sido recordista.

"A tendência de subida na audiência continua e não é surpresa", comenta Charlotte St. Martin, presidente da associação da indústria, Broadway League. "Há anos que digo que há qualquer coisa para toda a gente na Broadway, e ter um crescimento de 13% em dois anos claramente prova isso." Se as dez equipas de desporto profissional de Nova Iorque e Nova Jersey juntassem as suas audiências todas da temporada, mesmo assim ficavam atrás da Broadway por mais de dois milhões de espectadores. Com bilhetes que não são baratos - os de 50 dólares (44,3 euros) esgotam rapidamente, e é fácil chegarem aos 300 dólares (266 euros), o fenómeno é único.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)