Nunca houve tanta gente a ir ver espetáculos na Broadway

A temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, levou mais de 13,1 milhões de pessoas às produções da Broadway, em Nova Iorque: muitos musicais mas também outras peças.

No ano em que os cinemas atingiram mínimos de vinte anos e as audiências televisivas caíram nos Estados Unidos, a Broadway esmagou o mercado com o melhor resultado de sempre. Na temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, os teatros da Broadway, em Nova Iorque, bateram o recorde com 13,104 milhões de espectadores e 1,22 mil milhões de euros de receitas. Em ambos os casos, as subidas foram superiores a 7% em relação à temporada anterior, que já tinha sido recordista.

"A tendência de subida na audiência continua e não é surpresa", comenta Charlotte St. Martin, presidente da associação da indústria, Broadway League. "Há anos que digo que há qualquer coisa para toda a gente na Broadway, e ter um crescimento de 13% em dois anos claramente prova isso." Se as dez equipas de desporto profissional de Nova Iorque e Nova Jersey juntassem as suas audiências todas da temporada, mesmo assim ficavam atrás da Broadway por mais de dois milhões de espectadores. Com bilhetes que não são baratos - os de 50 dólares (44,3 euros) esgotam rapidamente, e é fácil chegarem aos 300 dólares (266 euros), o fenómeno é único.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.