Nunca houve tanta gente a ir ver espetáculos na Broadway

A temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, levou mais de 13,1 milhões de pessoas às produções da Broadway, em Nova Iorque: muitos musicais mas também outras peças.

No ano em que os cinemas atingiram mínimos de vinte anos e as audiências televisivas caíram nos Estados Unidos, a Broadway esmagou o mercado com o melhor resultado de sempre. Na temporada 2014-2015, que terminou a 24 de maio, os teatros da Broadway, em Nova Iorque, bateram o recorde com 13,104 milhões de espectadores e 1,22 mil milhões de euros de receitas. Em ambos os casos, as subidas foram superiores a 7% em relação à temporada anterior, que já tinha sido recordista.

"A tendência de subida na audiência continua e não é surpresa", comenta Charlotte St. Martin, presidente da associação da indústria, Broadway League. "Há anos que digo que há qualquer coisa para toda a gente na Broadway, e ter um crescimento de 13% em dois anos claramente prova isso." Se as dez equipas de desporto profissional de Nova Iorque e Nova Jersey juntassem as suas audiências todas da temporada, mesmo assim ficavam atrás da Broadway por mais de dois milhões de espectadores. Com bilhetes que não são baratos - os de 50 dólares (44,3 euros) esgotam rapidamente, e é fácil chegarem aos 300 dólares (266 euros), o fenómeno é único.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.