Numa certa rua de Tóquio

"Rua da Vergonha", de Kenji Mizoguchi.

Cineasta das mulheres, sim. Nunca é demais lembrar a força motriz. Ao longo da sua filmografia, Mizoguchi enquadrou como ninguém uma certa superioridade feminina, que este A Rua da Vergonha (1956) torna especialmente densa. É o seu derradeiro filme (morreu no mesmo ano), e aquele que, no contágio veemente da contemporaneidade desses anos 1950, em Tóquio, transmite a desesperança mais profunda. Passado numa casa de prostitutas - ambiente que o realizador conhecia bem, como aliás outros filmes o provaram - aqui são vinculadas as narrativas individuais das mulheres que nela ganham a vida. Uma vida sem prazer, para dar prazer...

Ao invés da mundanidade, Mizoguchi quer a humanidade, e para a segurar, deixa cair um desmesurado amor sobre cada uma das personagens. Isto num filme de absoluta aridez moral e inapelável desencanto. Uma beleza fria.

Classificação: ***** (Excecional)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".