Novo romance de António Lobo Antunes é publicado a 20 de outubro

Último livro do escritor foi publicado em 2012.

O novo romance de António Lobo Antunes, "Da natureza dos deuses", chega às livrarias no próximo dia 20 de outubro, anunciaram hoje as Publicações D. Quixote, que chancelam a obra. Anteriormente, o escritor, de 73 anos, detentor de vários galardões, entre eles o Prémio Camões, publicou, em 2012, "Não é meia-noite quem quer".

No plano de edições para outubro desta editora do grupo LeYa está ainda previsto os novos romances de Mário Cláudio e de Salman Rushdie, e o de poesia de Nuno Júdice.

A abrir o mês, no dia 6, as Publicações D. Quixote, a celebrarem 50 anos, editam "Astronomia", de Mário Cláudio, um romance de cariz autobiográfico, segundo adiantou à Lusa fonte da editora.

"'Astronomia' é um romance lúcido, profundo e implacável sobre a vida de um escritor português", segundo a mesma fonte.

No dia 13 de outubro é publicado o novo título de Salman Rushdie, "Dois anos, oito meses e vinte e oito noites", uma obra inspirada "nas tradicionais 'lendas maravilhosas' do oriente, uma fascinante obra de ficção que combina História, Mitologia e uma narrativa de amor intemporal".

O livro "Crónicas Maldispostas", de Pepetela, que reúne uma seleção de crónicas do autor angolano, publicadas entre março de 2007 e agosto deste ano, na revista África 21, é publicado no dia 13.

No dia 31 é publicado o segundo romance do cabo-verdiano Mário Lúcio Sousa, "A biografia do língua". "O narrador deste romance é um condenado à morte a quem é concedido um último desejo; e o que escolhe é contar uma história, mais precisamente a da vida do Língua, um escravo que falou aos sete meses de idade e teve direito a biografia encomendada pelo rei de Portugal", adianta a editora em comunicado.

A reedição de "A instrumentalina", de Lídia Jorge, obra publicada pela primeira vez em 1992, está prevista sair, com nova capa, no dia 27.

"Trata-se de uma narrativa particularmente depurada, escrita de um único fôlego, e onde, de forma comovedora, se patenteiam a ternura e a inocência de uma primeira paixão".

Outra reedição é "Afirma Pereira", de Antonio Tabucchi, cuja ação narrativa decorre em Lisboa no ano de 1938, período de ascenção dos regimes totalitários, e que o protagonista é um jornalista.

O novo livro de poesia de Nuno Júdice, "A convergência dos ventos", é publicado no dia 13, esdtando ainda prevista a saida, no mesmo dia, do romance "Butcher's Crossing", de John Williams, obra originalmente publicada em 1960, e d'"O carteiro de Pablo Neruda", do chileno Antonio Skármeta, no dia 20.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.