Novo romance de António Lobo Antunes é publicado a 20 de outubro

Último livro do escritor foi publicado em 2012.

O novo romance de António Lobo Antunes, "Da natureza dos deuses", chega às livrarias no próximo dia 20 de outubro, anunciaram hoje as Publicações D. Quixote, que chancelam a obra. Anteriormente, o escritor, de 73 anos, detentor de vários galardões, entre eles o Prémio Camões, publicou, em 2012, "Não é meia-noite quem quer".

No plano de edições para outubro desta editora do grupo LeYa está ainda previsto os novos romances de Mário Cláudio e de Salman Rushdie, e o de poesia de Nuno Júdice.

A abrir o mês, no dia 6, as Publicações D. Quixote, a celebrarem 50 anos, editam "Astronomia", de Mário Cláudio, um romance de cariz autobiográfico, segundo adiantou à Lusa fonte da editora.

"'Astronomia' é um romance lúcido, profundo e implacável sobre a vida de um escritor português", segundo a mesma fonte.

No dia 13 de outubro é publicado o novo título de Salman Rushdie, "Dois anos, oito meses e vinte e oito noites", uma obra inspirada "nas tradicionais 'lendas maravilhosas' do oriente, uma fascinante obra de ficção que combina História, Mitologia e uma narrativa de amor intemporal".

O livro "Crónicas Maldispostas", de Pepetela, que reúne uma seleção de crónicas do autor angolano, publicadas entre março de 2007 e agosto deste ano, na revista África 21, é publicado no dia 13.

No dia 31 é publicado o segundo romance do cabo-verdiano Mário Lúcio Sousa, "A biografia do língua". "O narrador deste romance é um condenado à morte a quem é concedido um último desejo; e o que escolhe é contar uma história, mais precisamente a da vida do Língua, um escravo que falou aos sete meses de idade e teve direito a biografia encomendada pelo rei de Portugal", adianta a editora em comunicado.

A reedição de "A instrumentalina", de Lídia Jorge, obra publicada pela primeira vez em 1992, está prevista sair, com nova capa, no dia 27.

"Trata-se de uma narrativa particularmente depurada, escrita de um único fôlego, e onde, de forma comovedora, se patenteiam a ternura e a inocência de uma primeira paixão".

Outra reedição é "Afirma Pereira", de Antonio Tabucchi, cuja ação narrativa decorre em Lisboa no ano de 1938, período de ascenção dos regimes totalitários, e que o protagonista é um jornalista.

O novo livro de poesia de Nuno Júdice, "A convergência dos ventos", é publicado no dia 13, esdtando ainda prevista a saida, no mesmo dia, do romance "Butcher's Crossing", de John Williams, obra originalmente publicada em 1960, e d'"O carteiro de Pablo Neruda", do chileno Antonio Skármeta, no dia 20.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.