Novo Astérix é uma espécie de Wikilix

Julian Assange inspirou a dupla que sucedeu a Uderzo e Goscinny, o argumentista Jean-Yves Ferri e o desenhador Didier Conrad, no novo álbum O Papiro de César

Ao fim de 35 álbuns de banda desenhada da série Astérix os temas são cada vez mais difíceis de encontrar, por isso os autores da nova história, O Papiro de César, focaram o argumento num jornal editado pelo eterno inimigo dos gauleses.

Um jornal que tem uma secçao de horóscopo que vai interessar aos moradores da irredutível aldeia e provocar muita confusão através de duas novas personagens: Bonus Promoplus e Double Polemix. Este último é inspirado em Julian Assange.

O novo livro sai em todo o mundo no dia 22, com uma tiragem de 2 milhões de exemplares em França e mais dois milhões nas traduções em dezenas de línguas. O novo álbum foi apresentado esta manhã em Paris, na Torre Eiffel, com a presença dos dois autores e de um dos pais, o desenhador Albert Uderzo. Que confessou estar Astérix bem entregue à nova dupla: "No primeiro ainda me preocupei em vigiar o que se fazia, neste já não foi preciso estar preocupado. Eles sabem o que fazem e eu gosto."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.