Nova escultura da rainha Isabel II "parece o Tom Hanks"

O artista que esculpiu o busto da rainha nega as parecenças com o ator

O artista chinês Chen Dapeng criou um busto da rainha de Inglaterra, Isabel II, que é a maior peça de porcelana chinesa que alguma vez foi feita. No entanto, o busto atraiu atenção por outra razão: não se parece muito com a rainha e o crítico de arte do jornal britânico The Telegraph chegou mesmo a dizer que é mais parecido com o ator Tom Hanks.

O busto, que pesa 20 quilos, foi feito pelo artista a partir de fotografias e vídeos da rainha. Foram precisas 13 tentativas até a peça de porcelana sair intacta e bater o recorde de maior peça de sempre.

A escultura está em exposição numa feira de artes e antiguidades em Londres. "Vejo que a vossa rainha britânica é uma pessoa maravilhosa e incrível, que serviu bem o povo britânico", afirmou o escultor Chen Dapeng. "Enquanto artista, consigo ver a sabedoria e bondade no seu rosto. A minha escultura é oferecida como gesto de reconciliação entre os nossos povos".

O crítico de arte do Telegraph Mark Hudson, porém, afirmou que o busto não se parecia muito com a rainha, talvez por ter sido criado a partir de fotografias. "Está algo desproporcional, a parte detrás da cabeça é demasiado grande e tem um queixo de pugilista", disse. "Parece-se um pouco com o Tom Hanks".

O porta-voz do artista disse ao jornal The Independent que o busto não se parecia com o ator. "O Tom Hanks usa uma coroa dourada? Vá lá!", terá dito, citado pelo jornal britânico.

É muito difícil criar grandes peças de porcelana chinesa, visto que esta tem 12 ingredientes, enquanto a porcelana normal costuma ter apenas dois ou três. Os bustos "estavam sempre a sair do forno rachados", disse ao Telegraph o organizador da exposição, Paul Harris. "Pensámos que tínhamos conseguido com o 12.º mas afinal também tinha uma pequena racha. A fábrica insistiu em tentar novamente e este é o 13.º produto final". Paul Harris acrescentou que deu a Chen Dapeng uma lata de bolachas na qual o rosto da rainha estava em relevo para o ajudar a criar o busto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.