Novo Banco cede pintura do século XVII a museu de Castelo Branco

"Natureza Morta de Flores", uma das principais obras de pintura da coleção do banco, ficará em exposição no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco.

Um imponente vaso de flores, colocado num fundo de paisagem que numa paleta vibrante apresenta uma composição botânica. Assim é Natureza Morta de Flores, uma obra do pintor flamengo do séxculo XVII, atribuída a Jan Fyt, que passará a ser vista no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, fruto de um protocolo que será assinado amanhã entre o Novo Banco e a Câmara Municipal de Castelo Branco.

"Uma das principais obras de pintura da coleção do banco", refere comunicado do Novo Banco, sobre o protocolo que se enquadra-se no projeto NB Cultura, apresentado publicamente no Museu Nacional dos Coches no final de janeiro de 2018. Esta é mais uma iniciativa que se insere num programa de depósito descentralizado da coleção de pintura do banco, colocando à fruição pública mais de 90 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional.

Sobre a obra Natureza Morta de Flores, a nota explica que se trata de "uma obra particularmente expressiva do que de melhor se fazia na pintura seiscentista de naturezas mortas de flores, atribuída a Jan Fyt (Antuérpia 1611-1661), um dos mais interessantes e criativos pintores flamengos de naturezas mortas".

O NB Cultura reúne sob um único conceito toda a coleção, com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património, assente em quatro pilares: Coleção de Pintura, formada por mais de 90 obras relevantes de pintura portuguesa e europeia de várias épocas; Coleção de Fotografia Contemporânea; Biblioteca de Estudos Humanísticos e Coleção de Numismática.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.