Novo Banco cede pintura do século XVII a museu de Castelo Branco

"Natureza Morta de Flores", uma das principais obras de pintura da coleção do banco, ficará em exposição no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco.

Um imponente vaso de flores, colocado num fundo de paisagem que numa paleta vibrante apresenta uma composição botânica. Assim é Natureza Morta de Flores, uma obra do pintor flamengo do séxculo XVII, atribuída a Jan Fyt, que passará a ser vista no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, fruto de um protocolo que será assinado amanhã entre o Novo Banco e a Câmara Municipal de Castelo Branco.

"Uma das principais obras de pintura da coleção do banco", refere comunicado do Novo Banco, sobre o protocolo que se enquadra-se no projeto NB Cultura, apresentado publicamente no Museu Nacional dos Coches no final de janeiro de 2018. Esta é mais uma iniciativa que se insere num programa de depósito descentralizado da coleção de pintura do banco, colocando à fruição pública mais de 90 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional.

Sobre a obra Natureza Morta de Flores, a nota explica que se trata de "uma obra particularmente expressiva do que de melhor se fazia na pintura seiscentista de naturezas mortas de flores, atribuída a Jan Fyt (Antuérpia 1611-1661), um dos mais interessantes e criativos pintores flamengos de naturezas mortas".

O NB Cultura reúne sob um único conceito toda a coleção, com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património, assente em quatro pilares: Coleção de Pintura, formada por mais de 90 obras relevantes de pintura portuguesa e europeia de várias épocas; Coleção de Fotografia Contemporânea; Biblioteca de Estudos Humanísticos e Coleção de Numismática.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.