Novo Banco cede pintura do século XVII a museu de Castelo Branco

"Natureza Morta de Flores", uma das principais obras de pintura da coleção do banco, ficará em exposição no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco.

Um imponente vaso de flores, colocado num fundo de paisagem que numa paleta vibrante apresenta uma composição botânica. Assim é Natureza Morta de Flores, uma obra do pintor flamengo do séxculo XVII, atribuída a Jan Fyt, que passará a ser vista no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, fruto de um protocolo que será assinado amanhã entre o Novo Banco e a Câmara Municipal de Castelo Branco.

"Uma das principais obras de pintura da coleção do banco", refere comunicado do Novo Banco, sobre o protocolo que se enquadra-se no projeto NB Cultura, apresentado publicamente no Museu Nacional dos Coches no final de janeiro de 2018. Esta é mais uma iniciativa que se insere num programa de depósito descentralizado da coleção de pintura do banco, colocando à fruição pública mais de 90 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional.

Sobre a obra Natureza Morta de Flores, a nota explica que se trata de "uma obra particularmente expressiva do que de melhor se fazia na pintura seiscentista de naturezas mortas de flores, atribuída a Jan Fyt (Antuérpia 1611-1661), um dos mais interessantes e criativos pintores flamengos de naturezas mortas".

O NB Cultura reúne sob um único conceito toda a coleção, com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património, assente em quatro pilares: Coleção de Pintura, formada por mais de 90 obras relevantes de pintura portuguesa e europeia de várias épocas; Coleção de Fotografia Contemporânea; Biblioteca de Estudos Humanísticos e Coleção de Numismática.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.