Novo Banco cede pintura do século XVII a museu de Castelo Branco

"Natureza Morta de Flores", uma das principais obras de pintura da coleção do banco, ficará em exposição no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco.

Um imponente vaso de flores, colocado num fundo de paisagem que numa paleta vibrante apresenta uma composição botânica. Assim é Natureza Morta de Flores, uma obra do pintor flamengo do séxculo XVII, atribuída a Jan Fyt, que passará a ser vista no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, fruto de um protocolo que será assinado amanhã entre o Novo Banco e a Câmara Municipal de Castelo Branco.

"Uma das principais obras de pintura da coleção do banco", refere comunicado do Novo Banco, sobre o protocolo que se enquadra-se no projeto NB Cultura, apresentado publicamente no Museu Nacional dos Coches no final de janeiro de 2018. Esta é mais uma iniciativa que se insere num programa de depósito descentralizado da coleção de pintura do banco, colocando à fruição pública mais de 90 obras de relevante valor artístico, em vários museus espalhados pelo território nacional.

Sobre a obra Natureza Morta de Flores, a nota explica que se trata de "uma obra particularmente expressiva do que de melhor se fazia na pintura seiscentista de naturezas mortas de flores, atribuída a Jan Fyt (Antuérpia 1611-1661), um dos mais interessantes e criativos pintores flamengos de naturezas mortas".

O NB Cultura reúne sob um único conceito toda a coleção, com o objetivo último de preservar e divulgar o seu vasto património, assente em quatro pilares: Coleção de Pintura, formada por mais de 90 obras relevantes de pintura portuguesa e europeia de várias épocas; Coleção de Fotografia Contemporânea; Biblioteca de Estudos Humanísticos e Coleção de Numismática.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.