No interior da mente de Álvaro Siza Vieira

O arquiteto foi o primeiro orador do ciclo de conferências que acompanha a exposição Inside a Creative Mind, na Fundação Gulbenkian. E trouxe histórias.

Como é que Álvaro Siza Vieira começa um projeto? "Assustado", responde o próprio, no seu tom pausado e sotaque nortenho. Composta maioritariamente por estudantes de Arquitetura, a plateia que ontem esgotava o auditório da Gulbenkian - e as salas da Fundação onde a conferência era transmitida em ecrãs - ria quase em uníssono.

Era a primeira conferência do ciclo Inside a Creative Mind: Arquitetura Portuguesa | Criatividade e Inovação. Eduarda Lobato Faria, que conduzia a conversa com o arquiteto, perguntou-lhe "o que diria a um estudante de arquitetura". "Para estudar", responde Siza.

Mas tornemos ao princípio, ao momento em que Siza começa um projeto - como o Museu de Serralves ou o Pavilhão de Portugal para a Expo'98. "Vencer o susto é começar imediatamente a pôr hipóteses no papel, muitas vezes disparatadas."

É sempre do desenho e do esquisso que Siza começa. É a sua forma de "ver no espaço". A culpa é talvez daquele tio que - tinha ele uns seis anos - o sentava ao colo e incitava a desenhar. Um dia disse-lhe: "Assina o teu nome aqui." AJ, de Álvaro Joaquim.

Depois, é preciso dizer que um arquiteto não projeta "com total liberdade". "Nem queria, ficaria perdido, num vazio. As dificuldades num projeto são material precioso para a sua conceção. Se não houver dificuldades não há respostas." Voltamos ao desenho. A certa altura, a entrevistadora pergunta-lhe se os edifícios são "filhos obedientes". Não. "Os edifícios são filhos desobedientes."

O arquiteto, prémio Pritzker de 1992, recorda depois uma passagem de um livro em que o autor referia "a vida própria" que ganhavam as suas personagens. O mesmo acontece, dizia Siza Vieira, nos edifícios. "Os projetos em determinada altura começam também a ganhar vida própria. As soluções começam a aparecer quase por milagre." É preciso, todavia, atentar ao facto de esta ser uma "fase perigosíssima. É preciso deixar correr, mas conter, sob pena de se criar monstros."

Ainda antes de passar a palavra ao público, Lobato Faria perguntou ao arquiteto se havia alguma diferença entre conceber habitação social ou outro qualquer projeto. A resposta foi negativa. Siza Vieira recordou os tempos do Processo SAAL (Serviço Ambulatório de Apoio Local) no pós 25 de Abril.

"Houve colegas que me disseram: 'Tu não serves para isto. Só fizeste casas para burgueses.' É por isso que é o meu campo. Quando se faz, tem de se falar com o senhor, com a sogra, com a vizinha... Não muda nada, é mais alargado, mais fecundo." A resposta de Siza veio pouco depois de este ter criticado "a ideia de hoje de que um arquiteto é um luxo, e que a arquitetura é para ricos."

Da plateia, perguntaram-lhe depois que qualidades o arquiteto deve ter. "No fundo, o arquiteto faz sempre a casa para ele. Depois tem de ter capacidade de dialogar, de perceber desejos e necessidades."

A Siza Vieira seguem-se as conferências que acompanham a exposição patente até 6 de junho na Fundação Calouste Gulbenkian até 6 de junho. A 7 de abril, com Gonçalo Byrne, a 14 de abril, com José e Nuno Mateus (ARX Portugal), a 28 de abril, com Francisco e Manuel Aires Mateus, a 12 de maio, com João Luís Carrilho da Graça, a 19 de maio, com Inês Lobo, e, a 2 de junho, com Eduardo Souto de Moura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".