No GUIdance, o tempo dos corpos que dançam é o nosso tempo

O festival que arranca o ano da dança chama-se GUIdance e mistura tempos e geografias num cartaz intenso que assesta o foco em Rui Horta, faz regressar Marlene Monteiro Freitas e chama Wayne McGregor para o início.

Há uma linha do tempo no desenho da programação do GUIdance 2018 que convoca saberes e experiências diversas para pensar uma mesma interrogação - como é que a história que passa pelos corpos que dançam pode ajudar a criar futuros? Chamadas a responder, obras de nomes fundamentais na dança contemporânea, nacionais e internacionais, a começar por Wayne McGregor, que regressa a Guimarães (depois da apresentação de Atomos, em 2016) para fazer arrancar esta edição do festival com Autobiography (Centro Cultural Vila Flor - CCVF -, 1 de fevereiro, 21.30).

O exuberante criador britânico (que assinou obras experimentais, coreografou musicais e desfiles de moda e colaborou em experiências tão díspares como os filmes de Harry Potter ou os concertos dos White Stripes) parte de algo tão pessoal como o seu próprio ADN para criar um trabalho em que afirma a importância do corpo enquanto "tecnologia de ponta" (palavras suas, em entrevista à BBC), multiplicando essa evidência em palco.

Explorar o arquivo vivo que é um corpo criativo para lançar pistas para o que há de vir é, há muito, uma linha de força no pensamento de Rui Horta, coreógrafo em destaque nesta edição do festival, que se prolonga até 10 de fevereiro. Regressa, a solo, com Vespa (Centro Internacional das Artes José de Guimarães, 7 fev., 21.30) ao lugar onde se estreou - no dia dos seus 60 anos, em 2017 - e apresenta uma nova criação em estreia absoluta, Humanário (CCVF, 3 fev., 21.30), que integra 40 intérpretes amadores e foi criada em conjunto com o maestro Tiago Simães.

Vespa é uma questão do criador consigo próprio e, ao mesmo tempo, universal, tanto na forma como se põe em causa como no reconhecimento de inquietações que nos assaltam a todos; a nova criação é uma obra a muitas vozes sobre a diversidade e o que nos é comum, numa peça transversal à comunidade e à região de Guimarães. "No Humanário procurei um encontro com pessoas, com a comunidade - o outro, aquele que me diz algo e que eu quero descobrir. Fiz uma audição com um único mote: encontrar pessoas que soubessem ou quisessem cantar e não tivessem receio de estar em cena. Por isso o meu cúmplice neste projeto foi um jovem maestro, o Tiago Simães. Encontrei um grupo totalmente inesperado, muito jovem e integrando desde amadores a profissionais", explica Rui Horta. E sublinha: "Só podes fazer este tipo de obras quando estás muito próximo e sintonizado com as estruturas que te acolhem. E se não tiver contornos de celebração, não vale a pena."

Como em anos anteriores sucedeu com Miguel Moreira ou Tânia Carvalho, criadores cuja obra esteve em destaque no GUIdance, a ligação ao território é fundamental e a celebração é palavra de ordem. "Rui Horta é um coreógrafo com uma ligação umbilical forte à cidade - apresentou quase todas as peças em Guimarães - e a obra que vai estrear nesta edição começou a ser pensada a partir deste lugar onde o festival se compõe. Além disso, é um exemplo de reinvenção enquanto criador numa edição dedicada à ideia de criação de futuros. Redescobrir determinados momentos de criação na linha de tempo dos autores é essencial. Importa reencontrar uma certa essência, combater a vertigem e a obsessão do novo pelo novo e alinhar a velocidade de vivência às obras que o programa propõe. É igualmente fundamental para o festival tentar recapturar peças que por razões várias não tenham sido celebradas tanto quanto devem", clarifica Rui Torrinha, o diretor do festival que chamou à programação deste ano obras essenciais de criadores que queremos revisitar.

Em O Limpo e o Sujo, (CCVF, 2 fev., 21.30), Vera Mantero, Francisco Rolo e Elizabete Francisca criam uma ecologia de si próprios que é um trabalho coreográfico, uma dança. Essa mesma prática de pensamento profundo num corpo pujante pulsa em Da Insaciabilidade no Caso ou ao Mesmo Tempo Um Milagre (CIAJG, 3 fev., 18.30), que Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão criaram a partir de Almada Negreiros e de um complexo processo de construção, envolvendo debates e workshops, e irrompe em Jaguar (CCVF, 9 fev., 21.30), de Marlene Monteiro Freitas em colaboração com Andreas Merk, descrita como "um cruzamento de inspirações que brotam muitas vezes sem controlo e que fazem da arte o que ela deve ser". Oportunidade rara para ver em palco a coreógrafa recentemente distinguida com o Leão de Prata da Bienal de Veneza, junto com um dos seus cúmplices mais antigos e carismáticos, poderosos criadores de mundos.

Num lugar imaginário vive também a peça de Patricia Apergi Cementary (CCVF, 8 fev., 21.30), criadora que esteve em residência artística no Centro de Criação de Candoso (Guimarães) e já se apresentou no festival em 2015, e aqui continua a explorar um tópico central na sua obra, a cidade como lugar de caos. A coreógrafa grega não está sozinha. Titans (CIAJG, 10 fev., 18.30) assinala a estreia em Portugal de Euripides Laskaridis, compatriota e criador extraordinário que trabalha uma ficção exuberante perante a desolação do presente. "O olhar sobre a Grécia é o intensificar de uma intenção de descoberta de novas geografias dentro do festival", lembra Rui Torrinha. "Decidimos investir num país do Sul, para perceber como pode a arte resistir em condições de extrema fragilidade e mesmo assim mostrar-se grandiosa na sua diversidade."

O GUIdance termina a 10 de fevereiro com um regresso a não perder, o da companhia belga Peeping Tom com Vader (Pai) (CCVF, 10 fev., 21.30), parte de uma trilogia em torno da família (de que já vimos Mãe).

Veja toda a programação aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".