No banquete após os Óscares até há ouro comestível

Os cerca de 1500 convidados terão direito a várias iguarias e, também, um vinho bastante especial

Wolfgang Puck, cozinheiro australiano de 68 anos, prepara pelo 24.º ano o banquete servido após a cerimónia dos Óscares, neste caso na 90.ª edição dos prémios. Os cerca de 1500 convidados terão direito a muito, até a ouro comestível.

O anual Governor's Ball, que acontece depois das cerimónias dos Óscares e vai receber os vencedores e outras celebridades presentes, vai servir aos seus convidados mais de 50 pratos, com pequenas entradas como cenoura com trufa negra, e até parfaits de cavair com ouro de 24 quilates.

O cozinheiro australiano, além de, entre outros pratos, as 800 patas de caranguejo e os 130 quilos carne de boi Wagyu, ou chamado bife de Kobe, existirão também pratos vegetarianos e sem glúten, de acordo com o Folha de São Paulo.

Para beber existirão cerca de 1400 garrafas de champanhe e serão servidas quase 11 mil taças de vinho do realizador Francis Ford Coppola. A equipa para preparar o banquete deverá ser composta por mais de mil pessoas.

"Estamos muito animados e eu acho que é sempre algo muito especial para nós. Enquanto os Óscares não tiverem cansados de mim, eu não estou cansado dos Óscares", afirmou Wolfgang Puck.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.