Nem tudo se pode comprar

TODO O DINHEIRO DO MUNDO Ridley Scott

A história é a do rapto do jovem John Paul Getty III, que aconteceu em 1973, e da luta da sua mãe para conseguir do sogro multimilionário o pagamento do resgate. Baseado no livro de John Pearson que aborda o caso, o filme de Ridley Scott é uma máquina ao serviço do chorrilho de eventos, sem nenhum ponto de vista sobre a dimensão humana das personagens.

Num elenco onde contamos, entre outros, Michelle Williams, Mark Wahlberg e Christopher Plummer (este último na infeliz substituição de Kevin Spacey, e sem nenhum argumento para estar nomeado ao Óscar), é um enorme desapontamento ver as suas interpretações reduzidas a um mecanismo estéril de narrativa...

Não se pode dizer que Ridley Scott não seja competente na execução, mas é uma competência às três pancadas. Resumindo: com todo o dinheiro do mundo, não houve aqui inspiração nenhuma.

Classificação: * (Medíocre)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.