Nelson Freitas: "Fico mais nervoso a cantar para três pessoas do que para dez mil"

Esta sexta-feira Nelson Freitas, a voz de 'Bo Tem Mel', estreia-se em nome próprio na Meo Arena, e terá ao seu lado vários convidados.

Tudo começou como uma brincadeira, ainda que desde muito novo Nelson Freitas tenha revelado um especial interesse por música. A brincadeira transformou-se em assunto sério e hoje a sua popularidade é incontestável. Um ano depois de ter enchido o Coliseu dos Recreios, em Lisboa, o cantor segue para o palco da Meo Arena, estando a preparar uma produção que envolve dezenas de pessoas.

Ainda que a sua música viva de ritmos africanos, foi na Holanda que Nelson Freitas nasceu e cresceu. A língua portuguesa aprendeu nas muitas viagens que tem feito ao longo dos anos, mas ainda sente algumas dificuldades, daí que ao fim de alguns minutos de conversa com o DN tenha optado pelo inglês para se expressar melhor.

"Escrevo em holandês e vivo na Holanda. A minha mãe foi para Cabo Verde quando tinha 15 anos, sendo que ela não andou na escola lá, porque na altura batiam nos alunos quando estes não sabiam a resposta. Ela não tinha muita escolaridade e, por isso, em casa falávamos em crioulo, mas o crioulo dela era básico, como o meu é. A minha mãe ainda me chegou a colocar numa escola para eu aprender português, mas nunca fui às aulas. Era sempre ao domingo e quando ela me deixava à porta da escola eu ia jogar videojogos. Hoje arrependo-me", conta o músico.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.