Na intimidade do poder ditatorial

Mais do que uma crónica histórica, O Capitão mostra o que é a condição humana em tempo de guerra.

Numa nota de intenções que escreveu para apresentar o seu filme O Capitão, Robert Schwentke propõe uma reflexão a partir de um contundente princípio filosófico: "(...) o horror é um conceito moral, não analítico". Quer ele dizer que os crimes consumados pela personagem verídica do seu filme, o soldado alemão Willi Herold, não podem ser encarados como se a moral fosse uma espécie de purificação em que nos acomodamos. Como ele sublinha, não se trata de legitimar os seus atos, mas sim de avaliar as complexas relações entre o geral e o particular: "O inadmissível comportamento de Herold num contexto histórico particular permite entrever uma ponta de verdade sobre a condição humana em tempo de guerra."

Qual é, então, a verdade do soldado Herold? Digamos que começa na solidão de alguém que perdeu todas as referências que lhe conferiam identidade. Ele não é exatamente um desertor, mas um "perdido" ou "disperso" (segundo a palavra alemã "Versprengte"). Tem 19 anos, vagueia pelos campos nos tempos finais da guerra e, a 3 de abril de 1945, num veículo militar abandonado, encontra uma farda de capitão.

Veste a farda? Sim, mas dizer que Herold decide "disfarçar-se" de capitão será passar ao lado do misto de ingenuidade e monstruosidade que o define. De facto, ao envergar pela primeira vez a farda ele é "apenas" uma marioneta deslumbrada pelo símbolo de poder que encontrou - fala mesmo sozinho para a paisagem, celebrando a sua nova aparência. É quando aparece um outro soldado, à deriva como ele, que Herold reconhece a inusitada autoridade do novo guarda-roupa: ninguém o vê como soldado, todos o reconhecem como capitão.

Tanto bastaria para transformar O Capitão numa desencantada e, de alguma maneira, didática narrativa sobre o poder dos símbolos. Ou melhor: sobre o exercício do poder como um sistema de gestão dos símbolos - será preciso lembrar que isso confere ao filme uma perturbante atualidade política?

Em todo o caso, na dupla condição de realizador e argumentista de O Capitão, Schwentke visa algo ainda mais radical, porque mais íntimo. Acontece que Herold é também aquele que encontra na sua indumentária uma motivação para os atos mais cruéis: a farda não lhe serve apenas de esconderijo dos outros porque, em última instância, funciona como simulacro da sua consciência.

Palavra e poder

Como num jogo maligno, Herold descobre mesmo que a nova farda lhe permite utilizar algo que está para além do visível. A saber: o poder efetivo que um nome pode arrastar. Que nome? Adolf Hitler. Sem documentos para justificar as suas ordens, Herold evoca "Hitler" e consegue que a palavra se transforme em gesto de poder.

E não é todos os dias que deparamos com um ator como Max Hubacher (natural de Berna, Suíça, nascido em 1993). A sua interpretação de Herold envolve uma terrível ambivalência: por um lado, o seu olhar parece conter esse misto de crueldade e medo que encontramos nas crianças; por outro lado, ele vive, de facto, através de uma transfiguração caucionada pela farda que passou a envergar. No limite, a farda dispensa-o mesmo de se apresentar aos outros como detentor de um corpo. Talvez seja essa a definição do poder ditatorial: o corpo existe como um detalhe sem importância, tudo nele passou para o lado do símbolo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.