Museu Soares dos Reis recria exposição de 1916 de Amadeo de Souza Cardoso

Das 114 obras que o artista mostrou nessa única exposição que fez no Porto, cerca de 70% devem estar representadas.

O Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, vai recriar a única exposição de Amadeo de Souza Cardoso, no Porto, que decorreu em 1916, a ser inaugurada no dia 1 de novembro, anunciou hoje a instituição.

"As obras que Amadeo decidiu expor estão hoje dispersas por diversas coleções públicas e privadas. Reuni-las, procurando refazer os gestos e as opções do malogrado pintor [que morreria, inesperadamente, em 1918, com 30 anos de idade] é, em primeiro lugar, uma homenagem", indica a descrição da exposição, que seguirá depois para o Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, em Lisboa, e que conta com curadoria de Raquel Henriques da Silva e de Marta Soares.

Das 114 obras expostas no Porto há 100 anos, vão estar "aproximadamente 70% das obras identificadas a partir dos catálogos originais", para a exposição que fica na cidade até 1 de janeiro de 2017 antes de abrir, em Lisboa, a 12 desse mês.

"No dia 1 de novembro, vai [ser inaugurada] aqui no museu uma exposição que já estava programada e pensada antes da divulgação da exposição [de Amadeo] em França. Vai ser inaugurada uma exposição com um ciclo de conferências dedicadas a Amadeo, festejando o centenário da exposição na cidade do Porto, nos jardins de Passos Manuel", disse à Lusa o presidente dos Amigos do Museu Nacional de Soares dos Reis, Álvaro Sequeira Pinto.

Como recorda o comunicado da exposição, a mostra de novembro de 1916, no Jardim Passos Manuel, "atingiu, em 12 dias, um número impressionante de visitantes [30.000, relatou Amadeo ao crítico americano Walter Pach] e agitou a cidade", desencadeando, por vezes, reações agressivas e despertando a atenção da imprensa, enquanto, por outro lado, a exposição de dezembro de 1916, na Liga Naval Portuguesa, em Lisboa, "foi mais elitista e cativou, além da imprensa, o entusiasmo do grupo de 'Orpheu'".

Foi neste contexto que Almada Negreiros escreveu, num manifesto de apoio à mostra de 1916, que "a Descoberta do Caminho Marítimo p'rá Índia é menos importante do que a Exposição de Amadeo de Souza Cardoso na Liga Naval de Lisboa".

"[Foi] uma exposição organizada, feita e realizada pelo próprio Amadeo, o próprio impresso - não se pode chamar catálogo - da exposição [foi] feito e impresso pelo Amadeo, ele empenha-se pessoalmente nesta exposição e através daqui chegamos a um ponto fundamental, que é o papel do Porto no modernismo no século XIX", declarou Álvaro Sequeira Pinto à agência Lusa.

A exposição, nas duas cidades, vai procurar articular "a pintura com os espaços expositivos - o Jardim Passos Manuel, que foi demolido e deu lugar ao Coliseu do Porto, e a Liga Naval de Lisboa, palácio Calhariz-Palmela, no largo Calhariz, atualmente uma agência da Caixa Geral de Depósitos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?