Museu Nacional de Arte Antiga expõe réplicas de obras de arte em centro comercial

Réplicas de obras do Museu de Arte Antiga vão poder ser vistas em lojas do centro comercial Amoreiras

O Museu Nacional de Arte Antiga vai levar ao centro comercial das Amoreiras, em Lisboa, 31 réplicas de pinturas, de quarta-feira, dia 4, até 5 de novembro, num convite ao público para que vá ver os originais.

Em declarações à Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), António Filipe Pimentel, disse que se trata de uma amostra, um chamar de atenção para a coleção do museu, uma vez que "as obras verdadeiras estão à espera das pessoas no MNAA".

Em 31 lojas das Amoreiras podem ser vistos quadros como "Vista do Mosteiro e Praça de Belém", do pintor Filipe Lobo, além de trabalhos de Cristóvão de Morais e Domingos Sequeira.

"Por sua vez, os grandes mestres europeus também merecem lugar de destaque, como Albrecht Dürer, o mais famoso artista do Renascimento nórdico, Hans Menling, um dos mais importantes pintores alemães, e Pieter Bruegel, o Jovem, da reconhecida família de artistas belgas", pode ler-se no comunicado sobre a mostra "MNAAmoreiras".

De Dürer, tem o museu várias gravuras no seu acervo, assim como o óleo "São Jerónimo", que está na exposição permanente. "A virgem e o menino", de Hans Menling, e "Obras de misericórdia", de Pieter Bruegel, o Jovem, estão também patentes nas salas de pintura europeia.

Há nesta iniciativa um objetivo comum das duas instituições, nas palavras do diretor do MNAA: "Das Amoreiras, reforçar o prestígio; do ponto de vista do museu, reforçar a visibilidade das suas coleções e o apelo a que as pessoas as venham ver".

"Por muito extraordinária que seja a réplica, há uma diferença de monta que só no museu se pode ver", afirmou António Filipe Pimentel à Lusa, estabelecendo os paralelos com o projeto "ComingOut", em 2015, quando o museu levou às ruas de Lisboa várias obras de arte.

O diretor do MNAA explicou que o convite partiu das Amoreiras e que "há uma pequena história por trás", no contexto do "ComingOut", que acabou por coincidir com a campanha "Vamos pôr o Sequeira no lugar certo", para aquisição do quadro "A Adoração dos Magos", de Domingos Sequeira, a que a empresa proprietária das Amoreiras se associou.

Questionado sobre um eventual impacto de projetos como o "ComingOut" e agora o "MNAAmoreiras" no número de visitantes do Museu Nacional de Arte Antiga, Pimentel realçou não ser possível quantificar o efeito direto de tais iniciativas, mas disse que "as visitas organizadas em paralelo com as obras que estavam na rua foram um sucesso de públicos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.