Museu Nacional de Arte Antiga debate futuro com exemplos europeus

Num dia de entrada livre, com visitas guiadas e outras atividades, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, acolhe hoje o debate "MNAA Século XXI -- Modelos de gestão, financiamento e recursos humanos nos museus da Europa", para discutir o futuro da instituição.

O dia no MNAA começou às 9:30, estando a primeira palestra a cargo do diretor do Museu Nacional de História e de Arte do Luxemburgo, Michel Polfer, seguindo-se a subdiretora do Museu de Belas Artes de Bilbao, Marta García Maruri.

Em declarações à agência Lusa sobre o evento, o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, salientou que o museu nacional "está evidentemente num processo de mudança consolidado" e que o objetivo da iniciativa de sexta-feira, organizada pelo Grupo de Amigos do MNAA, é apresentar "casos práticos considerados úteis" para que se possa ter noção do que acontece no exterior.

De acordo com Pimentel, a mudança no MNAA tem de ser feita em dois registos: "Por um lado a questão física, da ampliação - trabalhada com a Câmara Municipal de Lisboa e com a Direção-Geral do Património Cultural -- e, por outro, o modelo de gestão, de recursos humanos, financeiros".

O debate prossegue até para lá das 17:00 com a participação de responsáveis dos museus reais de Turim, do Rainha Sofia e do Prado, de Madrid, antes de o diretor do MNAA apresentar "O estudo 'MNAA 2020': projetando o século XXI".

Com o patrocínio da Fundação Millennium BCP, o evento vai ter tradução simultânea e tem entrada gratuita, mediante inscrição.

E até às 18.00, há visitas orientadas, workshops e peddy-paper, tudo com entrada gratuita, graças a iumd os mecenas do museu, a REN. As visitas orientadas para público em geral realizam-se às
15.00 à exposição temporária "Rembrandt. Elos Perdidos. Rijksmuseum e Coleções Reais da Holanda"
e às 15.30 às Obras-Primas da Coleção do MNAA. Não é necessária iinscrição prévia.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.