Museu do Design e da Moda encerra domingo para obras

O museu fecha mas a programação continua noutros espaços. A primeira paragem é já dia 21, Museu de Arte Contemporânea de Elvas.

O Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, anunciou hoje que encerra no domingo, para obras de requalificação integral do edifício, mas continuará a atividade numa programação de exposições dentro e fora da capital.

As entradas no museu - que foram gratuitas ao logo dos sete anos de existência - vão passar a ser pagas, quando o MUDE reabrir, no último trimestre de 2017, segundo a vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, Catarina Vaz Pinto, como contributo "para a sustentabilidade" do museu.

Numa conferência de imprensa sobre o anúncio do encerramento para as obras de requalificação e a nova programação, a vereadora indicou aos jornalistas que as obras nos oito pisos do museu, instalado no antigo edifício do Banco Nacional Ultramarino (BNU), na Baixa de Lisboa, vão ascender a 6,48 milhões de euros, totalmente pagos pela Câmara Municipal de Lisboa.

Inaugurado em 2009, com base na Coleção Francisco Capelo, o museu recebeu até hoje 1.920.499 visitantes, apresentou 58 exposições, 177 eventos e 39 edições relacionadas com o seu acervo de moda e design, disse a diretora, Bárbara Coutinho.

O MUDE encerra a partir de domingo, mas a atividade vai continuar numa programação "Fora de Portas", que começará no Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE), que, a 21 de maio, inaugura a exposição "Abaixo as Fronteiras! Vivam o Design e as Artes", e que terá um polo em Lisboa, no Pátio da Galé, a partir de 09 de junho.

"O museu vai encerrar para obras mas não perde a identidade, porque vamos desenvolver vários projetos e ações noutros locais", disse Bárbara Coutinho, acrescentando que ainda este ano haverá a iniciativa "Letreiros de Luz", em Lisboa, a partir de outubro, sobre um património gráfico "que está a desaparecer da cidade".

Segue-se "Tatuagem", com inauguração em dezembro, uma exposição com base no espólio de tatuagens do Instituto de Medicina Legal de Lisboa, numa perspetiva científica, filosófica, social e urbanística.

Está também previsto o projeto do Mural André Saraiva, no terceiro trimestre deste ano, no Jardim Botto Machado, em Lisboa.

Para 2017, as áreas estratégicas serão "mais focadas no design, como processo e metodologia, na sua ética e responsabilidade social", sublinhou Bárbara Coutinho, que deu as áreas da ciência e da tecnologia como algumas que estarão em destaque.

Também no próximo ano, o MUDE vai mostrar exposições da obra dos designers Carlos Rocha e Conceição e Silva, e do industrial ligado ao design Fernando Seixas.

Quanto às obras de requalificação do museu, têm como objetivo a criação da acessibilidade e segurança em todos os oito pisos, salas de exposições temporárias, centro de documentação, formação, oficinas educativas, salas de eventos e para as reservas das peças da coleção, além de uma cafetaria, de uma loja e de uma esplanada no terraço.

Também presente na conferência de imprensa, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, sublinhou a importância do papel do MUDE na revitalização da zona da Baixa-Chiado: "O edifício era uma ruína moderna, e o grande mérito do projeto foi recuperar a ruína e instalar-se no edifício".

"Não era possível adiar por mais tempo as obras", disse o vereador, alegando razões de segurança e acessibilidade para pessoas com limitações físicas, até porque a construção da sede do BNU, "não foi pensada para sismos".

Bárbara Coutinho disse que o museu vai reabrir com a área educativa, como uma das prioritárias no trabalho futuro, e manterá a valência das publicações/edições.

A coleção Francisco Capelo recebeu, nestes sete anos de existência, mais de 800 novas peças para incorporação, sobretudo doações na área do design e da moda de criadores portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.