Museu tem maioria das salas fechadas por falta de vigilantes

Informação está no site do museu, mas diretor não quer dar esclarecimentos sobre caso

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, que acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga portuguesa, tem a maioria das salas de exposição fechadas ao público por falta de vigilantes, de acordo com a entidade.

O museu colocou um aviso no seu sítio 'online', no qual explica que, de terça-feira a sexta-feira, estão totalmente encerrados os pisos 01 e 02, que acolhem as exposições de mobiliário português, artes decorativas francesas, ourivesaria, joalharia, arte da expansão e cerâmica.

Também está encerrado diariamente - entre as 12:00 e as 15:00 - o piso 03, com a coleção de pintura e escultura portuguesas, onde se encontram algumas das peças mais importantes do museu, entre as quais os Painéis de São Vicente.

No aviso 'online', o museu pede "desculpas pelo incómodo" aos visitantes, justificando o encerramento ao público com a "falta de assistentes técnicos (vigilantes/rececionistas)".

Contactado pela agência Lusa, o diretor do museu, António Filipe Pimentel, disse que não prestava declarações sobre o encerramento das salas.

A Lusa contactou igualmente a Direção Geral do Património Cultural, que prometeu uma resposta para mais tarde.

Em novembro do ano passado, um turista que visitava a exposição de escultura e pintura antiga do MNAA, ao recuar para tirar uma fotografia, derrubou, acidentalmente, uma escultura oitocentista do Arcanjo São Miguel, que sofreu fraturas e perdas da camada policromada.

A obra foi depois enviada para o Laboratório José de Figueiredo para avaliação dos danos, foi reparada no museu por uma equipa multidisciplinar, e regressou ao museu em maio.

Na sequência do acidente, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, chegou a ser questionado, no parlamento, sobre o acidente, e a eventualidade de ter tido na origem a falta de vigilantes no museu.

Na altura, o responsável pela tutela sustentou que o acidente "não resultou da falta de vigilância, porque havia um vigilante perto que até avisou o visitante".

Pouco tempo depois, a tutela anunciou a abertura de concursos para o preenchimento de vagas de vigilantes em museus, entre eles o MNAA, com o reforço de mais três funcionários.

Após seis meses de obras, o terceiro piso do museu - dedicado à pintura e escultura portuguesas - reabriu no ano passado com um novo percurso da exposição permanente, com 243 obras, na maioria pintura (152 peças), e um terço de escultura (91 peças) de autores portugueses, do século XIV ao XIX.

O MNAA tem sofrido ciclicamente falta de vigilantes durante o período de verão, quando começa a época de férias dos funcionários, e os diretores do museu foram por várias vezes forçados a fechar salas, devido à falta de segurança.

Em 2007 e 2008, tanto Paulo Henriques como Dalila Rodrigues, ambos então diretores do museu, encerraram salas expositivas, apesar das queixas dos visitantes, impedidos de entrar pelos motivos de segurança.

O MNAA foi o segundo museu mais visitado no primeiro trimestre deste ano, com cerca de 50 mil visitantes, logo a seguir ao Museu Nacional dos Coches, com 70 mil visitantes, que lidera habitualmente as entradas nos museus da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Os monumentos, museus e palácios nacionais receberam mais de 4,6 milhões de visitantes no ano passado, num aumento de 15,5% em relação a 2015, segundo dados divulgados pela DGPC no início do ano.

Criado em 1884, o MNAA acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, de pintura, escultura, artes decorativas portuguesas, europeias e da Expansão Marítima Portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX, e é um dos museus com maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Além dos Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves, o acervo integra ainda, entre outros tesouros, a Custódia de Belém, de Gil Vicente, mandada lavrar por D. Manuel I, datada de 1506, os Biombos Namban, do final do século XVI, que registam a presença dos portugueses no Japão.

Hieronymous Bosch, Albrecht Dürer, Piero della Francesa, Hans Holbein, o Velho, Pieter Bruegel, o jovem, Lucas Cranach, Jan Steen, van Dyck, Murillo, Ribera, Nicolas Poussin, Tiepolo são alguns dos mestres europeus representados na coleção do MNAA.

O Museu Nacional dos Coches, com 70.227 visitantes, lidera as entradas nos museus da DGPC, neste primeiro trimestre do ano, registando um aumento de 01,4 por cento.

Em segundo lugar está o MNAA, com 47.089 visitantes, e um aumento de 01,8 por cento em relação ao primeiro trimestre de 2016.

Em 2016, o MNAA somou 175.578 visitantes, mantendo o segundo lugar na lista dos mais visitados dos museus nacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.