Museu de Arte Antiga exibe Adão e Eva, de Gossaert, vindo do museu Thyssen

A pintura Adão e Eva, de Jan Gossaert (1478-1536), proveniente do Museu Thyssen-Bornemisza, em Madrid, vai ser exibida no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, a partir de terça-feira.

De acordo com o MNAA, esta obra do artista flamengo que viveu entre o final do século XV e início do século XVI, vai ser exibida no âmbito do ciclo Obra Convidada e ficará patente até 06 de setembro.

O quadro da coleção Thyssen que o MNAA vai exibir foi pintado cerca de 1510, possivelmente em Bruges, e é o primeiro de uma série de pares de figuras que Jan Gossaert acabaria por pintar, tornando-se numa das suas especialidades.

Adão e Eva é diretamente baseado na gravura de Dürer, de 1504, com o mesmo tema, que circulava no meio artístico flamengo desde que o pintor alemão Lucas Cranach visitou a corte de Margarida de Áustria em Malines, em 1508, levando consigo muitas gravuras alemãs.

A obra de Gossaert vinda do Museu Thyssen vai ficar ao lado daquela obra em gravura de Albrecht Dürer (1471-1528) Adão e Eva, do acervo do MNAA, sobre a qual se terá inspirado.

De acordo com o MNAA, "é provável que Gossaert ficasse fascinado pelo caráter escultórico dos corpos da gravura de Dürer, cujo Adão se baseia na estátua da Antiguidade de Apolo do Belvedere", que se encontra no Vaticano, no Museu Pio-Clementino.

Iniciado em 2013, com uma obra de Lucas Cranach, o Velho (1472-1553), vinda do The Metropolitan Museum of Art, de Nova Iorque, o ciclo de exposições designado por "Obra Convidada" tem vindo a apresentar no MNAA algumas obras de arte de grandes museus estrangeiros.

Criado em 1884, o MNAA acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, desde pintura, escultura, artes decorativas portuguesas, europeias e da Expansão Marítima Portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX, incluindo o maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.