Exposição sobre Lisboa adiada por "questões administrativas"

O museu adiou para janeiro do próximo ano uma grande exposição dedicada a Lisboa renascentista, com 250 peças, prevista para este mês, "por questões administrativas"

Contactado pela agência Lusa, o diretor-adjunto do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), José Alberto Seabra Carvalho, indicou que a exposição A Cidade Global - Lisboa no Renascimento estava para ser inaugurada a 24 de novembro, "mas o museu foi forçado a adiar". O Museu Nacional de Arte Antiga adiou para janeiro do próximo ano a mostra dedicada a Lisboa renascentista, com 250 peças.

"Há procedimentos administrativos e regras no Estado que é preciso cumprir, e desta vez não foi possível aprovar as despesas para ter todas as peças a tempo" da inauguração em novembro, indicou à Lusa o diretor-adjunto do museu.

De acordo com José Alberto Seabra Carvalho, o projeto da exposição foi incluído no planeamento do museu deste ano no final de 2015, "e, na altura, não foi possível encontrar um produtor para esta grande exposição", como aconteceu anteriormente com empresas como a Everything is New, a UAU e a Ritmos, que montaram várias exposições em parceria com o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

"Desta vez não foi possível conseguir um produtor externo, e a exposição ficou inscrita no plano do museu, enviado para a Direção-Geral do Património Cultural, mas os procedimentos administrativos não foram realizados a tempo para a montagem da exposição, na data planeada", acrescentou.

O diretor-adjunto do MNAA recordou que o museu "não tem orçamento próprio para exposições, não tem autonomia administrativa, portanto, o que faz habitualmente é enviar o plano de atividades para a Direção-Geral do Património Cultural".

"Temos tido alguns atrasos em atividades, mas nunca um como este, que envolve 79 emprestadores de 250 peças. É uma exposição com uma logística muito pesada e complexa", disse, acrescentando que a exposição deverá ser inaugurada no final de janeiro de 2017, com peças muito variadas, que vão da pintura e da escultura, até animais empalhados.

O jornal Público noticia hoje que ouviu um colecionador que ia ser um dos emprestadores para esta exposição, que terá indicado que o motivo do adiamento é a falta de dinheiro para pagar o transporte das obras das coleções portuguesas e estrangeiras.

A Lusa contactou a Direção-Geral do Património Cultural sobre o adiamento, mas até agora não recebeu uma resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.