Museu de Arqueologia reabre após uma década fechado

As portas abrem nesta quinta-feira. As obras que decorreram permitiram "renovar a coleção do museu" e incluir novos conteúdos multimédia, como aqueles que o cineasta João Botelho ali assina

O renovado Museu Municipal de Arqueologia de Serpa, no Alentejo, que esteve fechado quase dez anos, reabre hoje, concluindo um processo de requalificação do espaço e da sua coleção, num investimento de um milhão de euros.

A intervenção no museu, cuja inauguração está marcada para as 16:00, pretendeu, segundo o município, "dar uma resposta mais contemporânea quer ao espaço físico, quer ao modelo expositivo".

A nova museografia inclui uma zona de visionamento de conteúdos multimédia, da autoria do cineasta João Botelho, e uma exposição dos achados arqueológicos descobertos neste concelho alentejano.

As obras foram promovidas pela Câmara de Serpa, no distrito de Beja, em parceria com a Direção Geral do Património Cultural, a Direção Regional de Cultura do Alentejo, o Museu Nacional de Arqueologia e o Instituto Português de Museus.

Para o autarca de Serpa, Tomé Pires, o museu, fechado desde setembro de 2006, é um equipamento "muito importante" para a salvaguarda do património arqueológico e a história do concelho, tendo as obras permitido requalificar o edifício onde está instalado, a antiga casa do governador, situada no interior da alcáçova do castelo.

As obras também permitiram "renovar a coleção do museu, integrando alguns dos achados arqueológicos encontrados nos últimos tempos no concelho", a "maior parte" durante obras de infraestruturas do projeto Alqueva.

A intervenção permitiu ainda "melhorar" as informações sobre os achados expostos para que "a coleção do museu, sem deixar de ter a informação técnica e científica que deve ter, possa ser interpretada pelo público de forma mais apelativa e convidativa", explicou o autarca à agência Lusa.

O museu, agora renovado, voltará a ser, "mais um ponto de atração de turistas e, certamente, irá contribuir para aumentar o número de visitantes" em Serpa, frisou Tomé Pires.

Segundo o autarca, a conclusão das obras e a reabertura do museu "são o culminar de mais uma etapa da estratégia do município de salvaguarda do património de Serpa, para "permitir mostrar a evolução histórica e ajudar no desenvolvimento socioeconómico sustentável do concelho".

Segundo a autarquia, o museu foi instalado na antiga casa do governador na alcáçova do castelo da cidade, em 1984, na sequência da atividade desenvolvida pelo núcleo de arqueologia do Centro de Cultura Popular de Serpa.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.