MUDE ultrapassou um milhão de visitantes desde abertura

O Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, recebeu mais de um milhão de visitantes desde a inauguração, há quatro anos, na Baixa de Lisboa, revelou hoje à agência Lusa fonte da entidade.

Contactado pela Lusa, o gabinete de comunicação do MUDE indicou que o número exato de visitantes, contabilizado até hoje, é de 1.045.745.

A média diária de entradas é cerca de 900, a média mensal tem atingido 22.000 entradas, e a média anual é cerca de 222.500 entradas, acrescentou a mesma fonte.

Na quinta-feira, o MUDE inaugurou a primeira exposição antológica de um designer português de moda, Felipe Oliveira Baptista, com 130 peças.

O estilista português, de 38 anos, formado em design de moda na Kingston University, em Londres, ficou mais conhecido do público há três anos, quando foi convidado para diretor criativo da marca Lacoste.

A exposição ficará patente até fevereiro de 2014 no MUDE, e, como a diretora do museu, Bárbara Coutinho, indicou à Lusa, a entrada continuará a ser gratuita até ao final dessa exposição.

O MUDE abriu em maio de 2009 no antigo edifício do Banco Nacional Ultramarino (BNU) na Baixa de Lisboa, como novo equipamento cultural da Câmara Municipal de Lisboa, e continua a aguardar obras de adaptação.

Apesar das paredes descarnadas, no entanto, o museu tem apresentado uma programação constante, com exposições de moda e design, conferências, conversas e lançamentos de publicações destas áreas.

O MUDE possui um espaço de três mil metros quadrados e um acervo com cerca de mil peças de design de equipamento e mais de 1.200 de moda, adquiridas pela Câmara Municipal de Lisboa em 2002 ao colecionador Francisco Capelo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.