Morreu o sargento Hartman do filme "Nascido para Matar"

R. Lee Ermey tinha 74 anos

O ator R. Lee Ermey, conhecido por interpretar o severo sargento Hartman no filme Nascido para Matar de Stanley Kubrick, morreu aos 74 anos, anunciou, no domingo, o agente.

"É com profunda tristeza que informo que R. Lee Ermey morreu durante a manhã de domingo, na sequência de complicações de uma pneumonia. Será lembrado por todos nós", disse o amigo e agente de longa data Bill Rogin.

Depois de servir 14 meses no Vietname, o então fuzileiro naval saltou da realidade para a ficção, estreando-se no filme Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola, em 1979.

Oito anos mais tarde, a interpretação de um sargento no filme Full Metal Jacket (Nascido para Matar), de Stanley Kubrick, também sobre a guerra do Vietname, valeu-lhe a nomeação para um Globo de Ouro.

Kubrick permitiu que o ator improvisasse, escrevesse e modificasse várias linhas do diálogo, além de se mostrar satisteito com a interpretação do ator, depois de dois, três 'takes', algo raro no realizador.

O intérprete também atuou nos três filmes do "Toy Story", emprestando a voz ao personagem Sarge, um trabalho que repetiu em séries como "Sponge Bob", "Os Simpsons" ou "Family Guy".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...