Morreu Mário Contumélias, jornalista e autor de "O Areias é um camelo"

Como autor de canções, foi seis vezes finalista do Festival RTP da Canção e de um da OTI

Jornalista, poeta e escritor, Mário Contumélias, que morreu na quinta-feira, em Lisboa, aos 68 anos, também era investigador, sociólogo, pedagogo e autor de canções como Largo do Coreto, que José Cid levou ao Festival da Canção em 1978.

Nascido em Setúbal, em 3 de junho de 1948, Mário Contumélias era licenciado em Antropologia Social, pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa), e doutorado em Sociologia da Cultura e da Comunicação desde 2009, quando apresentou, no ISCTE, a tese intitulada "Uma aldeia na cidade: Telheiras, o que é hoje e como se produz um bairro".

A carreira jornalística iniciou-a em O Século, onde fez parte da equipa que editou a revista Cinéfilo. De O Século transitou para o Diário de Notícias, onde foi Grande Repórter. Foi ainda chefe de redação do Correio da Manhã e fundador da segunda fase de O Século.

Entre 1975 e 1976, foi presidente do Sindicato de Jornalistas. Em 1989, deixou as redações, tendo-se dedicado ao ensino de jornalismo e tornando-se assessor técnico de formação e formador do Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas (Cenjor), onde foi também coordenador pedagógico de Curso de Formação Geral em Jornalismo, durante cerca de 20 anos.

Mário Contumélias, que também é autor da letra da canção O Areias é um camelo, celebrizada por Suzy Paula, fundou e dirigiu empresas da comunicação, como Mediática e Idade Média.

Em 1999, Mário Manuel da Silva Contumélias deixou a vida empresarial para se dedicar em exclusivo ao ensino da sociologia e antropologia, tendo lecionado, até final de 2010, após o que passou a dedicar-se por inteiro à investigação em Ciências Sociais e às escritas documental e ficcional.

Na escrita de canções, contou, em particular, com a parceria de Manuel José Soares. Entre os cantores que gravaram e interpretaram canções de sua autoria contam-se José Cid, Florência, Teresa Silva Carvalho, Bric-à-Brac, Broa de Mel, Manuel José Soares e Zélia. Como autor de canções, foi seis vezes finalista do Festival RTP da Canção e de um da OTI.

O Comboio do Tua, interpretado por Florência, em 1979, Concerto Maior, com voz de Manuel José Soares, em 1980, Agosto em Lisboa, interpretado por Zélia, em 1980, e Daqui Deste País, cantado em 1981, pelos Bric-à-Brac, foram algumas das canções que apresentou a festivais da canção.

Mário Contunélias é autor de 29 livros, repartidos pelos géneros de poesia, literatura infantil, ficção, jornalismo e investigação em sociologia, entre outras áreas.

Entre os títulos de obras literárias publicadas por Mário Contumélias contam-se Uma Mão Cheia de Histórias (1985), O Ofício das Coisas (1986), Contos da Gaivota Barriguda (1987), O Pai Natal Aprendiz (1988), Versinhos de Brincar (1988), Conversas à Quinta-Feira (1991), Só as Emoções (2008), A Explicação do Sol (2008), Polícias à Portuguesa (2008) e Polícias à Portuguesa: Take 2 (2011). No ano passado publicou o seu último livro, a obra de poesia Sobre Pequenas Coisas.

O jornalista Mário Contumélias morreu na quinta-feira, em sua casa, em Lisboa, vítima de doença prolongada, disse hoje à agência Lusa fonte da família.

O velório de Mário Contumélias realiza-se a partir das 16:00 de hoje, na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, onde será realizada missa de corpo presente, no sábado, às 12:45.

O funeral partirá às 13:00, de sábado, para o cemitério do Alto de S. João, em Lisboa, onde será feita a cremação, às 14:00, disse a mesma fonte.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.