Morreu o diretor técnico do Teatro Nacional de S. Carlos, Francisco Vicente

Faleceu aos 64 anos, no Hospital Garcia da Horta, em Almada. O velório terá lugar nesta terça-feira a partir das 18.00 no Salão Nobre do Teatro

O diretor técnico do Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), Francisco Vicente, de 64 anos, morreu terça-feira de manhã, no Hospital Garcia de Orta, em Almada, informou o teatro.

"Com um profundo saber de todos os procedimentos técnicos, Mestre Francisco Vicente trabalhou com grandes cenógrafos e encenadores de renomada craveira nacional e internacional em incontáveis produções", afirma, na nota de pesar, o presidente do conselho de administração do Organismo de Produção Artística (Opart), que tutela o teatro lírico lisboeta.

Carlos Vargas enumera de seguida encenadores como Pier Luigi Pizzi, Emilio Sagi, Graham Vick, João Lourenço e Luís Miguel Cintra, "alguns dos nomes consagrados com quem Mestre Francisco Vicente repartiu, sem distinção, o conhecimento e excelência da sua perícia".

"Sempre que lhe era permitido, e longe das exigências de uma atividade sempre rigorosa, gostava de repousar no seu barco, pescando na solidão apaziguadora do mar. Mas será aqui, nesta casa hoje enlutada, que o nome de Mestre Francisco Vicente se inscreverá para sempre na história do TNSC", escreve o presidente do Opart, Carlos Vargas.

Segundo o responsável, "Mestre Francisco Vicente será para sempre relembrado por todos aqueles que com ele conviveram, trabalharam e compartilharam a sua camaradagem, determinação, força, desafios e realizações".

Francisco Vicente era natural de Vila Nova de Mil Fontes, no concelho de Odemira, distrito de Beja, e ingressou no TNSC na qualidade de carpinteiro, em fevereiro de 1971.

Até se tornar diretor técnico, em 1995, e um dos principais especialistas em espetáculos de ópera, em Portugal, Francisco Vicente "seguiu uma carreira exemplar, sempre marcada por uma total entrega, dedicação e elevado profissionalismo", escreve Carlos Vargas.

O velório terá lugar nesta terça-feira às 20.00 no Salão Nobre do TNSC. Amanhã recomeça às 9.00 até à celebração litúrgica, às 10.00, que será seguida de uma homenagem no palco às 11.30. O corpo seguirá para Vila Nova de Milfontes às 12.30, onde o funeral terá lugar às 16.00.

[Notícia atualizada às 16.15 com as exéquias de Francisco Vicente]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.