Morreu Nuno Melo, a quem ainda chamavam Caniço

O ator morreu ontem, aos 55 anos, vítima de cancro no fígado. Trinta anos depois, ainda se lembravam dele em "Chuva na Areia".

"Gosto de fazer telenovelas, séries e telefilmes. Gosto de bons autores, gosto de atores. Não gosto de maus textos, não gosto de personagens desinteressantes, de realizadores incompetentes, técnicos incompetentes, produtores incompetentes. Não gosto de gente que trabalha com atores mas que não gosta de atores. (...) Gosto de criar empatia com o espectador. Gosto de ser actuante, gosto de atuar, não gosto de representar, gosto de ser actor", escreveu Nuno Melo em 2010 sobre a sua profissão para a revista Notícias TV. O ator, com um carreira de mais de 30 anos, conhecido pela sua personagem na novela "Chuva na Areia", morreu ontem, aos 55 anos, no hospital CUF Infante Santo, em Lisboa, vítima de cancro no fígado.

Internado para tratamentos e a aguardar um transplante hepático, representou pela última vez numa alta de três dias recente. O trabalho era para um filme do realizador Edgar Pêra, um dos seus amigos mais próximos. No Carnaval foram a Torres Vedras gravar cenas do seu trabalho Adeus Carne. "O Nuno já estava doente, porque tinha hepatice C e foi uma das pessoas que ficou à espera que fosse disponibilizado o novo medicamento", lamenta o cineasta em declarações ao DN. Na sexta-feira tinha-lhe pedido o currículo para anexar a um projeto de cinespectáculo que está a preparar.

O velório de Nuno Melo realiza-se hoje na Igreja de S.João Deus, na Praça de Londres, entre as 16.00 e as 00.00. As cerimónias fúnebres decorrem amanhã, às 8.45, com a celebração de uma missa. O ator será cremado no cemitério do Alto de São João, às 9.15.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?