Morreu Nuno Melo, a quem ainda chamavam Caniço

O ator morreu ontem, aos 55 anos, vítima de cancro no fígado. Trinta anos depois, ainda se lembravam dele em "Chuva na Areia".

"Gosto de fazer telenovelas, séries e telefilmes. Gosto de bons autores, gosto de atores. Não gosto de maus textos, não gosto de personagens desinteressantes, de realizadores incompetentes, técnicos incompetentes, produtores incompetentes. Não gosto de gente que trabalha com atores mas que não gosta de atores. (...) Gosto de criar empatia com o espectador. Gosto de ser actuante, gosto de atuar, não gosto de representar, gosto de ser actor", escreveu Nuno Melo em 2010 sobre a sua profissão para a revista Notícias TV. O ator, com um carreira de mais de 30 anos, conhecido pela sua personagem na novela "Chuva na Areia", morreu ontem, aos 55 anos, no hospital CUF Infante Santo, em Lisboa, vítima de cancro no fígado.

Internado para tratamentos e a aguardar um transplante hepático, representou pela última vez numa alta de três dias recente. O trabalho era para um filme do realizador Edgar Pêra, um dos seus amigos mais próximos. No Carnaval foram a Torres Vedras gravar cenas do seu trabalho Adeus Carne. "O Nuno já estava doente, porque tinha hepatice C e foi uma das pessoas que ficou à espera que fosse disponibilizado o novo medicamento", lamenta o cineasta em declarações ao DN. Na sexta-feira tinha-lhe pedido o currículo para anexar a um projeto de cinespectáculo que está a preparar.

O velório de Nuno Melo realiza-se hoje na Igreja de S.João Deus, na Praça de Londres, entre as 16.00 e as 00.00. As cerimónias fúnebres decorrem amanhã, às 8.45, com a celebração de uma missa. O ator será cremado no cemitério do Alto de São João, às 9.15.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.