Morreu aos 82 anos a pintora e criadora de moda Maria Velez

A artista Maria Velez, de 82 anos, que se destacou pelas obras em pintura, gravura e tapeçaria, bem como na área da moda, faleceu na quinta-feira, em Lisboa, indicou hoje fonte da família.

Contactada pela agência Lusa, Cláudia Conduto, filha da artista, indicou que Maria Velez se encontrava doente há algum tempo e veio a falecer numa unidade hospitalar, em Lisboa, onde se encontrava internada.

Nascida em Lisboa, em 1935, Maria Velez frequentou um curso de design de moda nos anos 1950 na Kaunstgewerbe Schule, em Uster, na Suíça, e tirou o curso de pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa em 1961.

A artista trabalhou como consultora de moda numa empresa comercial e desenhou, entre 1975 e 1978, várias coleções de moda para a Industria Confecionadora Portuguesa.

Iniciou a prática de linoleogravura, água-tinta e água-forte na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, em Lisboa, tomando parte nas exposições itinerantes desta entidade.

Ali conviveu com artistas como Júlio Pomar, Alice Jorge, Sá Nogueira, António Areal, Hogan, Charrua, entre outros.

Foi professora nas escolas António Arroio e Josefa de Óbidos, em Lisboa, e na Escola Técnica do Cacém antes de se tornar assistente de desenho na Faculdade de Arquitectura de Lisboa, de 1983 a 1995.

Apresentou exposições individuais sobretudo no Porto e em Lisboa, e coletivas no país e no estrangeiro, nomeadamente em Madrid, Barcelona, Tóquio, Rio de Janeiro, São Paulo, Paris e Bruxelas.

Sobre o seu trabalho, o crítico Fernando Pernes escreveu que Maria Velez fez parte, em 1964, da "primeira fila dos pintores portugueses", mas, por seu turno, o também crítico de arte José-Augusto França considerava que a artista abusava de uma "habilidade de irremediável teor decorativo".

No entanto, Maria Velez foi bastante contestatária do conceito de que os críticos é que fazem os artistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.