Morreu a pintora Madalena Cabral

Madalena Cabral foi pioneira a desenvolver serviços educativos nos museus portugueses, e foi distinguida com o grau de Oficial da Ordem de Santiago da Espada.

A pintora e conservadora Madalena Cabral morreu no sábado, no Porto, aos 92 anos, e o corpo será cremado na quinta-feira no Cemitério do Perpétuo Socorro, disse hoje à agência Lusa fonte próxima da família.

Pioneira da introdução, qualificação e divulgação dos serviços educativos nos museus em Portugal, Madalena Cabral foi distinguida com o Prémio Personalidade do ano 2013 pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM).

Nascida no Porto, em 1922, Maria Madalena Figueiredo Cabral dedicou-se ainda jovem à pintura, tendo estudado aguarela com o pintor Heitor Cramez.

Foi viver aos vinte anos para Lisboa, onde fez o curso de Artes Decorativas da Escola António Arroio, e começou a trabalhar no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), lançando, em 1953, quando João Couto era diretor, um serviço de extensão escolar que seria pioneiro em Portugal e génese do serviço educativo da entidade.

Em 1985, foi distinguida com o grau de Oficial da Ordem de Santiago da Espada.

Em 2002 foi realizado em sua homenagem um encontro no MNAA, sob o tema "Ver, Rever, Museus, Educação", com a colaboração da Rede Portuguesa de Museus.

O MNAA emitiu um comunicado lamentando a morte de Madalena Cabral, destacando que continua a ser "um exemplo para todos os que ainda trabalham no museu", e sublinhando a importância do seu trabalho para "a descoberta das obras de arte através da observação e do diálogo, num contributo para o desenvolvimento dos cidadãos".

Ler mais

Exclusivos