Morreu a lenda do rock'n'roll Fats Domino

Domino levou um pouco do estilo "boogie-woogie" de Nova Orleães para o rock'n'roll

O artista norte-americano Fats Domino, uma lenda do rock'n'roll, morreu na terça-feira. Tinha 89 anos.

Natural de Nova Orleães, Domino levou um pouco do estilo "boogie-woogie" da cidade dos blues para o rock'n'roll e gravou com nomes como os Beatles ou Elvis Presley.

O pioneiro do rock vendeu mais de 60 milhões de discos, Recebeu um Grammy de carreira em 1986 e tinha o seu nome no Rock and Roll Hall of Fame.

"Não sei pôr isto de forma melhor, ele é uma lenda viva entre nós em Nova Orleães", disse a cantora Irma Thomas ao New York Times em 2007. "Entre ele e o Louis Armstrong, foram os primeiros grandes nomes a pôr-nos no mapa."

Entre os êxitos mais conhecidos de Domino estão canções como "Blueberry Hill", "Ain't That A Shame" e "I'm Walking To New Orleans".

Antoine 'Fats' Domino nasceu em Nova Orleães a 26 de fevereiro de 1928, um de nove irmãos. Aprendeu piano com um cunhado, o que contribuiu para o estilo que misturava o som clássico de Nova Orleães com blues, country e música Cajun.

Uma das suas últimas aparições públicas fora de Nova Orleães foi em 2015, para cantar "Amazing Grace" no funeral de B.B. King.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.