Morreu a fadista Alice Maria, aos 85 anos

Alice Maria cantou durante vários anos nas casas de fado "Tipóia" e "A Severa", em Lisboa

A fadista Alice Maria, que durante muitos anos fez parte do elenco da casa de fados "A Severa", morreu hoje de manhã, aos 85 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, informou a Casa do Artista.

O corpo da cantora estará na capela do hospital a partir das 10:00 de sábado e seguirá, às 13:30, para o cemitério dos Olivais, onde será cremado.

Alice Maria cantou durante vários anos nas casas de fado "Tipóia" e "A Severa", em Lisboa, e participou em vários programas televisivos, tendo celebrizado fados como "Castigo de Deus" (Frederico de Brito) e "Fado Regresso" (Artur Lobato/Casimiro Ramos).

Do seu repertório, parte recuperado em CD, na coleção "Fados do Fado", da Movieplay Portuguesa, coordenada por José Manuel Osório, fazem parte "Dois Cigarros" (António José Lampreia/Marcha de Alfredo Correiro), "Varinas" (Fernanda de Castro/Frei Hermano da Câmara), "Vem Como és Amor" (Vasco de Lima Couto/Armindo Fernandes), "Vieste Dizer-me Adeus" (Augusto Mascarenhas Barreto/Armandinho) e "Fado Triste" (António Lopes Ribeiro/Frederico de Freitas).

A fadista assinou também várias letras dos fados que interpretou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.