Morreu a escultora Clara Menéres

Último trabalho da artista foi uma estátua de João Paulo II, inaugurada na época da Páscoa, numa rotunda da Maia, no Porto

A escultora Clara Menéres, de 74 anos, cuja vida e obra ficaram marcadas pela religiosidade, morreu na quinta-feira, ao princípio da noite, numa unidade hospitalar em Lisboa, disse esta sexta-feira à agência Lusa fonte da família.

O corpo da artista plástica irá hoje, às 13:00, para a capela mortuária de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa, onde será velado, e o funeral decorre no sábado, com missa de corpo presente às 09:30, seguindo depois para Barrosas, no distrito do Porto.

A artista, de origem minhota, será sepultada no Cemitério de Santo Estêvão de Barrosas, no concelho de Lousada.

De acordo com a mesma fonte, Clara Menéres estava ainda ativa, e a última peça da sua autoria foi a estátua de João Paulo II, inaugurada na altura da Páscoa, numa rotunda da Maia, no Porto.

Maria Clara Rebelo de Carvalho Menéres nasceu em Braga, a 22 agosto de 1943, estudou escultura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi aluna de Barata Feyo, Lagoa Henriques e Júlio Resende, tendo concluído a licenciatura em 1968.

Expôs individualmente pela primeira vez em 1967 e foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris entre 1978 e 1981, doutorando-se na Universidade de Paris VII em 1983.

Foi também investigadora do Center for Advanced Visual Studies do Massachusetts Institute of Technology (MIT) entre 1989 e 1991.

Iniciou a atividade pedagógica na Escola Superior de Belas Artes do Porto e, entre 1971 e 1996, foi professora da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, onde exerceu o cargo de presidente do conselho diretivo de 1993 a 1996.

Foi depois professora catedrática na Universidade de Évora, onde lecionou de 1996 a 2007.

Uma das suas obras mais conhecidas é "Jaz Morto e Arrefece", uma representação escultórica realista de um soldado morto com a farda da guerra colonial, inspirada no poema "O Menino de Sua Mãe", de Fernando Pessoa.

Esta obra pode ser vista atualmente na Fundação Calouste Gulbenkian, na exposição "Pós-Pop. Fora do lugar comum", entre outras peças da autora, que também está representada na coleção da entidade.

Em 2016, o Santuário de Fátima assinalou o encerramento das celebrações do Centenário das Aparições do Anjo da Paz com a inauguração de uma escultura em bronze - "O Anjo da Paz" - da autoria de Clara Menéres.

Esta imagem do Anjo da Paz, em bronze, representa uma figura jovem, embrulhada num manto branco, com uma pomba numa mão e o ramo da oliveira na outra, numa referência ao Antigo Testamento.

Também no Santuário de Fátima se encontra, desde 2000, uma imagem da jovem pastora Jacinta, da sua autoria.

Entre várias exposições, participou na Alternativa Zero, na Galeria Nacional de Arte Moderna, em Belém, em 1977, na XIV Bienal de S. Paulo, no Brasil, no mesmo ano, e na exposição "Anos 60, anos de rutura: uma perspetiva da arte portuguesa nos anos sessenta", na Lisboa 94, Capital Europeia da Cultura.

Individualmente, entre outras exposições, apresentou o seu trabalho em Portugal, nomeadamente em Lisboa, Porto, e Aveiro, e nos Estados Unidos, em várias cidades, nos estados de Nova Iorque e Massachusetts.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)