Morreu a escultora Clara Menéres

Último trabalho da artista foi uma estátua de João Paulo II, inaugurada na época da Páscoa, numa rotunda da Maia, no Porto

A escultora Clara Menéres, de 74 anos, cuja vida e obra ficaram marcadas pela religiosidade, morreu na quinta-feira, ao princípio da noite, numa unidade hospitalar em Lisboa, disse esta sexta-feira à agência Lusa fonte da família.

O corpo da artista plástica irá hoje, às 13:00, para a capela mortuária de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa, onde será velado, e o funeral decorre no sábado, com missa de corpo presente às 09:30, seguindo depois para Barrosas, no distrito do Porto.

A artista, de origem minhota, será sepultada no Cemitério de Santo Estêvão de Barrosas, no concelho de Lousada.

De acordo com a mesma fonte, Clara Menéres estava ainda ativa, e a última peça da sua autoria foi a estátua de João Paulo II, inaugurada na altura da Páscoa, numa rotunda da Maia, no Porto.

Maria Clara Rebelo de Carvalho Menéres nasceu em Braga, a 22 agosto de 1943, estudou escultura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi aluna de Barata Feyo, Lagoa Henriques e Júlio Resende, tendo concluído a licenciatura em 1968.

Expôs individualmente pela primeira vez em 1967 e foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris entre 1978 e 1981, doutorando-se na Universidade de Paris VII em 1983.

Foi também investigadora do Center for Advanced Visual Studies do Massachusetts Institute of Technology (MIT) entre 1989 e 1991.

Iniciou a atividade pedagógica na Escola Superior de Belas Artes do Porto e, entre 1971 e 1996, foi professora da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, onde exerceu o cargo de presidente do conselho diretivo de 1993 a 1996.

Foi depois professora catedrática na Universidade de Évora, onde lecionou de 1996 a 2007.

Uma das suas obras mais conhecidas é "Jaz Morto e Arrefece", uma representação escultórica realista de um soldado morto com a farda da guerra colonial, inspirada no poema "O Menino de Sua Mãe", de Fernando Pessoa.

Esta obra pode ser vista atualmente na Fundação Calouste Gulbenkian, na exposição "Pós-Pop. Fora do lugar comum", entre outras peças da autora, que também está representada na coleção da entidade.

Em 2016, o Santuário de Fátima assinalou o encerramento das celebrações do Centenário das Aparições do Anjo da Paz com a inauguração de uma escultura em bronze - "O Anjo da Paz" - da autoria de Clara Menéres.

Esta imagem do Anjo da Paz, em bronze, representa uma figura jovem, embrulhada num manto branco, com uma pomba numa mão e o ramo da oliveira na outra, numa referência ao Antigo Testamento.

Também no Santuário de Fátima se encontra, desde 2000, uma imagem da jovem pastora Jacinta, da sua autoria.

Entre várias exposições, participou na Alternativa Zero, na Galeria Nacional de Arte Moderna, em Belém, em 1977, na XIV Bienal de S. Paulo, no Brasil, no mesmo ano, e na exposição "Anos 60, anos de rutura: uma perspetiva da arte portuguesa nos anos sessenta", na Lisboa 94, Capital Europeia da Cultura.

Individualmente, entre outras exposições, apresentou o seu trabalho em Portugal, nomeadamente em Lisboa, Porto, e Aveiro, e nos Estados Unidos, em várias cidades, nos estados de Nova Iorque e Massachusetts.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.