"Montanha" de Salaviza confirmado em Veneza

Enquanto da competição do Festival de Veneza só teremos confirmações no dia 29, ontem foi confirmadada a presença de João Salaviza, com Montanha

Agora é oficial: João Salaviza em Veneza. Há duas semanas, o DN já tinha antecipado a presença de Montanha, a sua primeira longa-metragem na Semana da Crítica, mas foi apenas ontem oficialmente anunciado na programação desta secção paralela da Mostra de Cinema de Veneza.

O cinema português, depois de Cannes, onde Miguel Gomes e As Mil e uma Noites fizeram furor, volta a estar num grande festival, mesmo não sendo na seleção oficial.

A primeira obra do jovem cineasta que venceu em Cannes a Palma de Ouro das curtas-metragens com Arena (2009) e o Urso de Ouro das curtas de Berlim com Rafa (2012), é uma continuação do seu olhar meticuloso sobre Lisboa e os seus habitantes, neste caso um prolongamento dos processos ensaiados em Rafa, onde já seguia os passos de um adolescente.

Desta vez, o olhar é centrado num outro adolescente confrontado em assumir responsabilidades de adulto enquanto a mãe se afasta para estar perto do avô à beira da morte. Mesmo tendo em conta que nos últimos anos os filmes exibidos na Semana da Crítica nem sempre têm o destaque daqueles que têm os holofotes da competição oficial e da secção Horizzonti, Montanha finalmente tem a sua estreia mundial mesmo estando já concluído desde o começo do ano.

De referir que a Semana da Crítica já foi madrinha de um dos nomes maiores do cinema português, Pedro Costa que se estreou aqui com O Sangue (1989). Aliás, esta é uma secção que ao longo dos anos tem sabido revelar nomes fundamentais do cinema contemporâneo.

Um deles é o escocês Peter Mullan, que se estreou como realizador com Orphans (1998) e causou estremecimento em Veneza. Num recente inquérito, os crítico italianos elegeram-no como a melhor primeira obra dos últimos trinta anos. Por isso mesmo, este "novo clássico" será exibido na sessão inaugural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.