Mônica, há 50 anos a brigar com a turminha

O autor brasileiro Maurício de Sousa criou, há 50 anos, a destemida personagem de banda desenhada Mônica, e pretende assinalar o aniversário com várias iniciativas, entre as quais uma série com as personagens adultas.

Maurício de Sousa já se dedicava ao desenho e às tirinhas de banda desenhada quando, em 1963, criou a Mônica, personagem inspirada numa das filhas e batizada com o mesmo nome, e cujo sucesso acabou por ditar aquela que seria a estrela de uma "turma" que inclui outras figuras como Cebolinha, Cascão e Magali.

Aos 78 anos, Maurício de Sousa é, possivelmente, o autor de banda desenhada de maior sucesso do espaço da lusofonia, e um dos mais carismáticos do Brasil, por conta desse império erguido com a ajuda de Mônica, que o levou a editar milhares de revistas com as histórias da turminha, a abrir parques temáticos e a avançar para o cinema e a televisão.

O autor sempre disse que o sucesso de Mônica se deve ao facto de ser uma "menina moderna, urbana, ativa e com um temperamento forte" e por "debater temas atuais e vocacionados para as crianças".

Ao longo dos anos, Maurício de Sousa aproveitou o sucesso das personagens para passar mensagens positivas e pedagógicas e a promover a revista de banda desenhada no incentivo à leitura entre os mais novos.

Esta semana, o autor apresentou no Brasil o plano de comemorações do meio século de vida da Mônica, que inclui uma exposição, a reposição de um espetáculo inspirado em "Romeu e Julieta", lançamento de brinquedos e o projeto de criação de uma série intitulada "Turma Adulta".

Já em 2008, o autor tinha lançado a revista "Turma da Mônica Jovem", apresentando as personagens adolescentes e com um traço influenciado pela mangá (banda desenhada japonesa).

Maurício de Sousa esteve várias vezes em Portugal, sobretudo a convite do festival de banda desenhada da Amadora, e chegou a anunciar a intenção - nunca concretizada - de abrir no país um parque temático semelhante aos que existem no Brasil.

Nas comemorações dos 50 anos de Mônica, será ainda lançado um livro com as capas de todas as revistas em que a personagem foi protagonista.

Sobre o futuro da personagem, Maurício de Sousa admitiu aos jornalistas brasileiros: "Vai ser difícil não casar a Mônica e o Cebolinha".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.