Ministro diz que aceitou pedido de desculpas do diretor do MNAA

Luís Filipe de Castro Mendes, disse à agência Lusa, em Santarém, que o "caso" gerado por declarações do diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, António Filipe Pimentel, "está encerrado"

Questionado no sábado pela Lusa sobre se aceitou o pedido de desculpas enviado por escrito por António Filipe Pimentel, após a polémica criada por declarações suas, feitas na Escola de Quadros do CDS, o ministro limitou-se a declarar: "Sim, sim. Está encerrado".

António Filipe Pimentel havia alertado para as condições no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), salientando que "um destes dias há uma calamidade no museu", porque se anda a "brincar ao património".

"São 64 pessoas para 82 salas abertas ao público. De certeza absoluta que um destes dias há uma calamidade no museu. Só pode, porque andamos a brincar ao património. Mas, a esta altura, todas as tutelas dispõem de toda a informação cabal do que vai acontecer, mas, quando acontecer, abre os telejornais", avisou António Filipe Pimentel.

No mesmo dia, o Ministério da Cultura afirmou desconhecer "qualquer ocorrência concreta" que justificasse a admissão, pelo diretor do Museu Nacional de Arte Antiga, de "uma calamidade".

Na passada quinta-feira, o Diário de Notícias adiantou que o diretor do Museu enviou uma carta a pedir desculpas formais ao Ministério da Cultura, na qual realça também a sua relação pessoal com Luís Filipe de Castro Mendes, "que se tem distinguido pela sua elevada qualidade".

"É à sua luz - porque as instituições se fazem de pessoas -, que, peço, queira aceitar este pedido de formais desculpas", escreve o responsável na carta a que o DN teve acesso.

O diretor do Museu classificou - na carta enviada no início da semana - os "acontecimentos de sexta-feira como infelizes".

Na missiva, António Filipe Pimentel admitiu as suas afirmações, "embora descontextualizadas", e diz não ter "dúvidas sobre a sua manifesta inoportunidade, se retrospetivamente observadas e com olhos e ouvidos descomprometidos, justamente os de quantos a leram e ouviram".

Questionado na semana passada pela agência Lusa sobre a "calamidade no museu", António Filipe Pimentel explicou que se relaciona com a segurança, já que os recursos humanos são escassos. "O Museu tem de garantir a segurança do património e gere no limite esse processo".

Basicamente, o diretor explicou à Lusa que disse, em Peniche, o que é público e que é do conhecimento da tutela (falta de recursos humanos, a nível de segurança e de técnicos superiores), mas usando palavras diferentes, "num contexto de sala de aula".

O diretor salientou a sua preocupação com a segurança do património exposto, mas disse acreditar que o assunto será resolvido "atempadamente", e negou que estivesse "a fazer passar uma mensagem", por não ser o seu estilo nem fazer sentido.

Em julho, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, disse no parlamento que o MNAA, em Lisboa, vai testar um novo modelo de gestão das entidades culturais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.