Ministro da Cultura felicita ator Nuno Lopes por prémio em Veneza

No filme, Nuno Lopes é Jorge, um boxeur desempregado que aceita trabalho noturno numa empresa de cobranças difíceis

O ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, felicitou hoje o ator Nuno Lopes pela distinção conseguida no Festival Internacional de Cinema de Veneza, que considerou ser "mais um reconhecimento da qualidade do cinema português".

"O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, felicita Nuno Lopes pelo Prémio de Melhor Ator, atribuído pelo júri da secção Horizontes do Festival de Veneza, pelo seu desempenho no filme 'São Jorge', de Marco Martins", refere comunicado da tutela hoje enviado.

Para Castro Mendes, este prémio "é mais um reconhecimento da qualidade do cinema português, que só no último mês recebeu várias distinções internacionais em categorias tão diversas como a animação, documentário ou a ficção".

De entre estas distinções, o ministro destacou o prémio de melhor realizador atribuído no Festival de Locarno a João Pedro Rodrigues, que aproveitou para "publicamente felicitar".

O ator português Nuno Lopes foi distinguido no sábado pelo júri da secção "Orizzonti", do Festival Internacional de Cinema de Veneza, com o Prémio Especial de Melhor Ator, pelo seu desempenho no filme "São Jorge", de Marco Martins.

"No filme, Nuno Lopes é Jorge, um boxeur desempregado que aceita trabalho noturno numa empresa de cobranças difíceis. Na preparação do papel, Nuno Lopes realizou trabalho de pesquisa em bairros sociais, no meio do boxe e no circuito de cobranças difíceis. O ator ganhou 20 quilos e submeteu-se a um programa de treino físico durante seis meses, chegando na fase de maior intensidade a treinar seis horas diárias de boxe e crossfit", descreveu a produtora Filmes do Tejo II.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.