Ministro da Cultura felicita ator Nuno Lopes por prémio em Veneza

No filme, Nuno Lopes é Jorge, um boxeur desempregado que aceita trabalho noturno numa empresa de cobranças difíceis

O ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, felicitou hoje o ator Nuno Lopes pela distinção conseguida no Festival Internacional de Cinema de Veneza, que considerou ser "mais um reconhecimento da qualidade do cinema português".

"O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, felicita Nuno Lopes pelo Prémio de Melhor Ator, atribuído pelo júri da secção Horizontes do Festival de Veneza, pelo seu desempenho no filme 'São Jorge', de Marco Martins", refere comunicado da tutela hoje enviado.

Para Castro Mendes, este prémio "é mais um reconhecimento da qualidade do cinema português, que só no último mês recebeu várias distinções internacionais em categorias tão diversas como a animação, documentário ou a ficção".

De entre estas distinções, o ministro destacou o prémio de melhor realizador atribuído no Festival de Locarno a João Pedro Rodrigues, que aproveitou para "publicamente felicitar".

O ator português Nuno Lopes foi distinguido no sábado pelo júri da secção "Orizzonti", do Festival Internacional de Cinema de Veneza, com o Prémio Especial de Melhor Ator, pelo seu desempenho no filme "São Jorge", de Marco Martins.

"No filme, Nuno Lopes é Jorge, um boxeur desempregado que aceita trabalho noturno numa empresa de cobranças difíceis. Na preparação do papel, Nuno Lopes realizou trabalho de pesquisa em bairros sociais, no meio do boxe e no circuito de cobranças difíceis. O ator ganhou 20 quilos e submeteu-se a um programa de treino físico durante seis meses, chegando na fase de maior intensidade a treinar seis horas diárias de boxe e crossfit", descreveu a produtora Filmes do Tejo II.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.