Ministro da Cultura cabo-verdiano torce pelo escritor Germano Almeida

Em 2009, o galardão distinguiu o poeta cabo-verdiano Arménio Vieira

O Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde assumiu esta segunda-feira estar a torcer pelo escritor Germano Almeida para o Prémio Camões, um galardão que será anunciado esta segunda-feira em Lisboa e que em 2009 distinguiu um cabo-verdiano.

Abraão Vicente falava à agência Lusa no final de um encontro com o seu homólogo português, em Lisboa, cidade que é esta segunda-feira palco do anúncio do Prémio Camões.

O ministro, que estará presente na cerimónia de anúncio do prémio, que será feito pelo ministro da Cultura português, Luís Filipe Castro Mendes, disse esperar que o galardão vá para o escritor Germano Almeida.

"O nome cabo-verdiano mais próximo de se consagrar como Prémio Camões é Germano Almeida, pelo seu percurso e a sua obra", disse Abraão Vicente.

Para Abraão Vicente, o Prémio Camões é "um contributo extraordinário de um país como Portugal" que "dá para incentivar a crítica, a produção".

O Prémio Camões é o maior prémio da Língua Portuguesa, instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988

"O Prémio Camões está num patamar a que só os consagradíssimos têm a aspiração de chegar", disse.

Para o ministro, Cabo Verde tem um leque de bons escritores que nos próximos tempos se poderão candidatar a essa obra, tais como José Luís Tavares e Dina Salústio, além de Germano Almeida.

"Vou estar a torcer [por Germano Almeida] e por isso fiz questão de estar presente neste momento", disse.

Em 2009, o Prémio Camões foi atribuído ao poeta Arménio Vieira, o primeiro cabo-verdiano a receber este galardão.

O Prémio Camões é o maior prémio da Língua Portuguesa, instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.