Ministério da Cultura estuda instalação de vigilância eletrónica no Museu de Arte Antiga

Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje, no parlamento, que está a estudar a instalação de um novo sistema de vigilância na sequência do acidente que danificou uma peça

O ministro da Cultura falava durante uma audição conjunta das comissões parlamentares de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2017.

Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje, no parlamento, que está a estudar a instalação de um sistema de vigilância eletrónica no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Questionado pelos deputados sobre as condições de segurança do museu, na sequência do acidente que ocorreu no domingo, que danificou uma escultura do século XVIII, o ministro avançou que "a criação de um novo sistema está a ser equacionada".

Na terça-feira, o gabinete do ministro da Cultura tinha anunciado o reforço de três vigilantes para o museu, até ao final do ano.

O MNAA anunciou também que será constituída uma equipa multidisciplinar para a recuperação da estátua do "Arcanjo São Miguel", que sofreu fraturas e perdas da camada policromada, mas que poderá ser recuperada, segundo os especialistas.

Hoje, no parlamento, o ministro da tutela apontou que o acidente "não resultou da falta de vigilância, porque havia um vigilante perto que até avisou o visitante".

"Mas só um super-homem seria suficientemente rápido para salvar a peça", ironizou o ministro, acrescentando que "mesmo que existisse um sistema eletrónico de segurança, o facto de disparar não evitaria" a queda da obra do século XVIII.

Contactado pela Lusa na terça-feira, António Filipe Pimentel, diretor do museu, disse que "a obra estava estável, fixada como deve ser, com um perímetro de segurança e proteção, que funcionou ao contrário do que devia, devido à aproximação" diferente do próprio turista.

"É aquilo que todos os diretores de museus mais temem e detestam. Mas acontece", acrescentou, sobre o acidente, que levou o Ministério da Cultura a anunciar uma avaliação.

No domingo, a tutela emitiu um comunicado indicando que a Direção-Geral do Património Cultural "vai avaliar em detalhes os danos e a necessidade de alterar a musealização da exposição, que foi inaugurada este verão, por forma a prevenir acidentes".

Mas por agora, o diretor garantiu que a exposição vai continuar aberta ao público, na sequência da retirada da peça: "Agora temos de nos concentrar na etapa seguinte, após a avaliação dos estragos e iniciar o processo de restauro da escultura para que ela volte à fruição pública o mais próximo possível", apontou.

Após seis meses de obras, o terceiro piso do museu - dedicado à pintura e escultura portuguesas - reabriu com um novo percurso da exposição permanente, com 243 obras, na maioria pintura (152 peças), e um terço de escultura (91 peças) de autores portugueses, do século XIV ao XIX.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.