Ministério da Cultura estuda instalação de vigilância eletrónica no Museu de Arte Antiga

Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje, no parlamento, que está a estudar a instalação de um novo sistema de vigilância na sequência do acidente que danificou uma peça

O ministro da Cultura falava durante uma audição conjunta das comissões parlamentares de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2017.

Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje, no parlamento, que está a estudar a instalação de um sistema de vigilância eletrónica no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Questionado pelos deputados sobre as condições de segurança do museu, na sequência do acidente que ocorreu no domingo, que danificou uma escultura do século XVIII, o ministro avançou que "a criação de um novo sistema está a ser equacionada".

Na terça-feira, o gabinete do ministro da Cultura tinha anunciado o reforço de três vigilantes para o museu, até ao final do ano.

O MNAA anunciou também que será constituída uma equipa multidisciplinar para a recuperação da estátua do "Arcanjo São Miguel", que sofreu fraturas e perdas da camada policromada, mas que poderá ser recuperada, segundo os especialistas.

Hoje, no parlamento, o ministro da tutela apontou que o acidente "não resultou da falta de vigilância, porque havia um vigilante perto que até avisou o visitante".

"Mas só um super-homem seria suficientemente rápido para salvar a peça", ironizou o ministro, acrescentando que "mesmo que existisse um sistema eletrónico de segurança, o facto de disparar não evitaria" a queda da obra do século XVIII.

Contactado pela Lusa na terça-feira, António Filipe Pimentel, diretor do museu, disse que "a obra estava estável, fixada como deve ser, com um perímetro de segurança e proteção, que funcionou ao contrário do que devia, devido à aproximação" diferente do próprio turista.

"É aquilo que todos os diretores de museus mais temem e detestam. Mas acontece", acrescentou, sobre o acidente, que levou o Ministério da Cultura a anunciar uma avaliação.

No domingo, a tutela emitiu um comunicado indicando que a Direção-Geral do Património Cultural "vai avaliar em detalhes os danos e a necessidade de alterar a musealização da exposição, que foi inaugurada este verão, por forma a prevenir acidentes".

Mas por agora, o diretor garantiu que a exposição vai continuar aberta ao público, na sequência da retirada da peça: "Agora temos de nos concentrar na etapa seguinte, após a avaliação dos estragos e iniciar o processo de restauro da escultura para que ela volte à fruição pública o mais próximo possível", apontou.

Após seis meses de obras, o terceiro piso do museu - dedicado à pintura e escultura portuguesas - reabriu com um novo percurso da exposição permanente, com 243 obras, na maioria pintura (152 peças), e um terço de escultura (91 peças) de autores portugueses, do século XIV ao XIX.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.