Ministério da Cultura diz que quadro de Álvaro Pires valoriza coleções nacionais

A aquisição pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque, do quadro A Anunciação, do pintor português Álvaro Pires de Évora, vai contribuir para a "valorização das coleções nacionais", considerou hoje o Ministério da Cultura (MC).

Contactado pela agência Lusa sobre a compra da pintura, por 350 mil dólares (280 mil euros), num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, o gabinete do ministro Luís Filipe Castro Mendes congratulou-se com a aquisição, "que dá continuidade e reforça as políticas do MC para a valorização das coleções nacionais".

A tutela da Cultura sublinha que esta obra do pintor Álvaro Pires de Évora "vai enriquecer e alargar o âmbito cronológico da coleção do principal Museu de Arte Antiga em Portugal", em Lisboa.

A mesma nota acrescenta ainda que "A Anunciação" é "uma pintura importante" para integrar o acervo do museu, de um pintor do séc. XV, anterior a Nuno Gonçalves, que ainda não tinha ali representação.

A pintura "A Anunciação", parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, foi disputada entre três licitadores, todos ao telefone.

A única pintura de Álvaro Pires que se encontra nas coleções nacionais - "A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação" - integra o acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Na sequência da aquisição, contactado pela Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, António Filipe Pimentel, indicou que o quadro foi comprado pelo Estado português com o auxílio dos amigos do museu, "e com o auxílio dos portugueses todos, porque a verba teve de ser complementada com algum dinheiro remanescente do dinheiro [da campanha de angariação de fundos para aquisição da 'Adoração dos Magos'] do Domingos Sequeira".

O futuro do quadro passa agora pelo MNAA, em Lisboa, onde tem um lugar reservado na sala dos Painéis de São Vicente, ficando apenas sujeito ao "processo natural de importação" e todas as questões técnicas a ele inerentes.

Trata-se, assim, de "uma ótima vitoria de nós todos", sublinhou o diretor do MNAA, que frisou ser o primeiro Álvaro Pires do museu e um "excelente Álvaro Pires".

O MNAA tinha apresentado formalmente uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no sentido de a obra ser adquirida pelo Estado português, sustentando a sua relevância para o património nacional.

Na quinta-feira, a Direção-Geral do Património Cultura confirmou que foi aberto um processo de classificação do quadro "São Cosme", da autoria do pintor português Álvaro Pires de Évora, o mesmo que assina "A Anunciação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.