Ministério da Cultura diz que quadro de Álvaro Pires valoriza coleções nacionais

A aquisição pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque, do quadro A Anunciação, do pintor português Álvaro Pires de Évora, vai contribuir para a "valorização das coleções nacionais", considerou hoje o Ministério da Cultura (MC).

Contactado pela agência Lusa sobre a compra da pintura, por 350 mil dólares (280 mil euros), num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, o gabinete do ministro Luís Filipe Castro Mendes congratulou-se com a aquisição, "que dá continuidade e reforça as políticas do MC para a valorização das coleções nacionais".

A tutela da Cultura sublinha que esta obra do pintor Álvaro Pires de Évora "vai enriquecer e alargar o âmbito cronológico da coleção do principal Museu de Arte Antiga em Portugal", em Lisboa.

A mesma nota acrescenta ainda que "A Anunciação" é "uma pintura importante" para integrar o acervo do museu, de um pintor do séc. XV, anterior a Nuno Gonçalves, que ainda não tinha ali representação.

A pintura "A Anunciação", parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, foi disputada entre três licitadores, todos ao telefone.

A única pintura de Álvaro Pires que se encontra nas coleções nacionais - "A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação" - integra o acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Na sequência da aquisição, contactado pela Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, António Filipe Pimentel, indicou que o quadro foi comprado pelo Estado português com o auxílio dos amigos do museu, "e com o auxílio dos portugueses todos, porque a verba teve de ser complementada com algum dinheiro remanescente do dinheiro [da campanha de angariação de fundos para aquisição da 'Adoração dos Magos'] do Domingos Sequeira".

O futuro do quadro passa agora pelo MNAA, em Lisboa, onde tem um lugar reservado na sala dos Painéis de São Vicente, ficando apenas sujeito ao "processo natural de importação" e todas as questões técnicas a ele inerentes.

Trata-se, assim, de "uma ótima vitoria de nós todos", sublinhou o diretor do MNAA, que frisou ser o primeiro Álvaro Pires do museu e um "excelente Álvaro Pires".

O MNAA tinha apresentado formalmente uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no sentido de a obra ser adquirida pelo Estado português, sustentando a sua relevância para o património nacional.

Na quinta-feira, a Direção-Geral do Património Cultura confirmou que foi aberto um processo de classificação do quadro "São Cosme", da autoria do pintor português Álvaro Pires de Évora, o mesmo que assina "A Anunciação".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."