Ministério da Cultura diz que quadro de Álvaro Pires valoriza coleções nacionais

A aquisição pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque, do quadro A Anunciação, do pintor português Álvaro Pires de Évora, vai contribuir para a "valorização das coleções nacionais", considerou hoje o Ministério da Cultura (MC).

Contactado pela agência Lusa sobre a compra da pintura, por 350 mil dólares (280 mil euros), num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, o gabinete do ministro Luís Filipe Castro Mendes congratulou-se com a aquisição, "que dá continuidade e reforça as políticas do MC para a valorização das coleções nacionais".

A tutela da Cultura sublinha que esta obra do pintor Álvaro Pires de Évora "vai enriquecer e alargar o âmbito cronológico da coleção do principal Museu de Arte Antiga em Portugal", em Lisboa.

A mesma nota acrescenta ainda que "A Anunciação" é "uma pintura importante" para integrar o acervo do museu, de um pintor do séc. XV, anterior a Nuno Gonçalves, que ainda não tinha ali representação.

A pintura "A Anunciação", parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, foi disputada entre três licitadores, todos ao telefone.

A única pintura de Álvaro Pires que se encontra nas coleções nacionais - "A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação" - integra o acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Na sequência da aquisição, contactado pela Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, António Filipe Pimentel, indicou que o quadro foi comprado pelo Estado português com o auxílio dos amigos do museu, "e com o auxílio dos portugueses todos, porque a verba teve de ser complementada com algum dinheiro remanescente do dinheiro [da campanha de angariação de fundos para aquisição da 'Adoração dos Magos'] do Domingos Sequeira".

O futuro do quadro passa agora pelo MNAA, em Lisboa, onde tem um lugar reservado na sala dos Painéis de São Vicente, ficando apenas sujeito ao "processo natural de importação" e todas as questões técnicas a ele inerentes.

Trata-se, assim, de "uma ótima vitoria de nós todos", sublinhou o diretor do MNAA, que frisou ser o primeiro Álvaro Pires do museu e um "excelente Álvaro Pires".

O MNAA tinha apresentado formalmente uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no sentido de a obra ser adquirida pelo Estado português, sustentando a sua relevância para o património nacional.

Na quinta-feira, a Direção-Geral do Património Cultura confirmou que foi aberto um processo de classificação do quadro "São Cosme", da autoria do pintor português Álvaro Pires de Évora, o mesmo que assina "A Anunciação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.