Ministério da Cultura diz que quadro de Álvaro Pires valoriza coleções nacionais

A aquisição pelo Estado, num leilão, em Nova Iorque, do quadro A Anunciação, do pintor português Álvaro Pires de Évora, vai contribuir para a "valorização das coleções nacionais", considerou hoje o Ministério da Cultura (MC).

Contactado pela agência Lusa sobre a compra da pintura, por 350 mil dólares (280 mil euros), num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, o gabinete do ministro Luís Filipe Castro Mendes congratulou-se com a aquisição, "que dá continuidade e reforça as políticas do MC para a valorização das coleções nacionais".

A tutela da Cultura sublinha que esta obra do pintor Álvaro Pires de Évora "vai enriquecer e alargar o âmbito cronológico da coleção do principal Museu de Arte Antiga em Portugal", em Lisboa.

A mesma nota acrescenta ainda que "A Anunciação" é "uma pintura importante" para integrar o acervo do museu, de um pintor do séc. XV, anterior a Nuno Gonçalves, que ainda não tinha ali representação.

A pintura "A Anunciação", parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, foi disputada entre três licitadores, todos ao telefone.

A única pintura de Álvaro Pires que se encontra nas coleções nacionais - "A Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação" - integra o acervo do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora.

Na sequência da aquisição, contactado pela Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, António Filipe Pimentel, indicou que o quadro foi comprado pelo Estado português com o auxílio dos amigos do museu, "e com o auxílio dos portugueses todos, porque a verba teve de ser complementada com algum dinheiro remanescente do dinheiro [da campanha de angariação de fundos para aquisição da 'Adoração dos Magos'] do Domingos Sequeira".

O futuro do quadro passa agora pelo MNAA, em Lisboa, onde tem um lugar reservado na sala dos Painéis de São Vicente, ficando apenas sujeito ao "processo natural de importação" e todas as questões técnicas a ele inerentes.

Trata-se, assim, de "uma ótima vitoria de nós todos", sublinhou o diretor do MNAA, que frisou ser o primeiro Álvaro Pires do museu e um "excelente Álvaro Pires".

O MNAA tinha apresentado formalmente uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no sentido de a obra ser adquirida pelo Estado português, sustentando a sua relevância para o património nacional.

Na quinta-feira, a Direção-Geral do Património Cultura confirmou que foi aberto um processo de classificação do quadro "São Cosme", da autoria do pintor português Álvaro Pires de Évora, o mesmo que assina "A Anunciação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.