Mestres do design dos anos 80 estão no MUDE

Os 'mestres' do design dos anos 80 apresentam-se no piso 1 do Museu do Design e da Moda, em Lisboa. A maioria das peças nunca tinha sido saído das reservas.

Um dos sete núcleos da exposição mostra algumas peças da coleção Worlds End assinada por Vivienne Westwood e Malcom McLaren, empresário dos Sex Pistols. Chamaram-lhe Piratas e Piratarias, remetendo não só para os nomes das peças da designer de moda britânica, mas também para a apropriação e transformação que se faz nesta época.

John Galliano, Claude Montana. Thierry Mugler, Alain Mikli, Azedine Alaïa, Romeo Gigli, Sonia Rykiel, Comme des Garçons, Issey Miyake e Jean-Charles de Castelbajac são alguns dos designers representados na exposição "Os Iconoclastas dos Anos 80", que pode ser vista no piso 1 do Museu do Design e da Moda, até ao dia 31 de agosto. As peças fazem parte da coleção Fracisco Capelo, aquela que deu origem ao museu, agora a completar o seu quinto aniversário.

Os anos 80 e 90 são particularmente fortes na coleção, refere a diretora, Bárbara Coutinho."São dois grandes momentos. Quer quantitivamente, quer qualitativamente", diz. A curadora de moda, Anabela Becho, acrescenta: "É nessa altura que ela se afirma como coleção. Muita coisa foi comprada aos próprios criadores", explica.

E, para esta exposição, algumas foram recuperadas, nomeadamente o vestido de Madame Grés, "um dos últimos que fez". Grés foi, de resto, a última casa de alta-costura francesa a "vender-se" (como a própria dizia) ao pronto-a-vestir.

"Não nos interessava contextualizar no sentido clássico", diz a diretora do museu. A intenção de "Os Iconoclastas dos Anos 80" é mostrar uma década que é mais do que o revivalismo de que se fala.

Do lado do design do produto, Bárbara Coutinho destaca, por exemplo, a 'conversadeira' de Andrés Branzi, um dos mais importantes nomes do design da década de 80. O autor está a preparar uma exposição retrospetiva para o museu de Bordéus e cinco peças fazem parte do acervo do MUDE.

Peças portuguesas, apenas um armário de Pedro Silva Dias, um estrado de Souto Moura e um vestido de Manuela Gonçalves. As demais esperam uma grande exposição de nomes portugueses desta altura, revela Bárbara Coutinho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.