Mestrado da Universidade Católica entre os melhores do mundo

Eduniversal elegeu mestrado em Estudos de Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa entre os melhores do mundo.

Integrado na rede The Lisbon Consortium, uma parceira entre a Universidade Católica Portuguesa, a Câmara Municipal de Lisboa e diversas instituições culturais (como a Fundação Calouste Gulbenkian, a Culturgest, a Cinemateca Portuguesa, o Museu Nacional do Teatro, a Fundação Oriente e o Centro Nacional de Cultura), o mestrado em Estudos de Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da universidade foi eleito o terceiro melhor do mundo pela Eduniversal, que anualmente distingue os melhores mestrado a nível mundial.

Em comunicado oficial a vice-reitora da Universidade Católica Portuguesa, e também diretora da rede The Lisbon Consortium, Isabel Capeloa Gil, refere: "Trata-se de uma proposta inovadora e arrojada a nível internacional pela forma como promove uma efetiva colaboração entre a universidade e as instituições culturais, dando visibilidade ao setor cultural como área chave para a criação de valor em Lisboa. A posição que alcançámos é o reconhecimento de um projeto de equipa estratégico para a Faculdade e para a Universidade, mas também a demonstração da capacidade para competirmos ao mais alto nível internacional."

Este é também o único curso português que se encontra no ranking da Eduniversal, liderado pela Bocconi School of Management de Milão e pela Universidade Erasmo de Roterdão. Com esta distinção a Universidade Católica Portuguesa ultrapassou instituições bastante reconhecidas como a London School of Economics ou a HEC Paris.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.