Meryl Streep é a "Natália de Andrade americana". Veja o trailer (e ouça-as)

Um mesmo sonho, uma dose semelhante de talento. Stephen Frears realiza o filme sobre a diva americana cujos desafinos se tornaram famosos

Cantora tragicómica de efémera popularidade, Natália de Andrade teve os seus momentos célebres em Portugal nos anos em que andou pelo Coliseu dos Recreios numa ópera do compositor Ruy de Carvalho e pelo Passeio dos Alegres de Júlio Isidro.

Lançou dois discos, o primeiro aos 54 anos e o segundo aos 58, colaborou com o arquivo musical da RDP e foi celebrizada por Herman José, que múltiplas vezes reinventou o seu tema de maior sucesso Canção Verde.

A ilusão que alimentava Natália, sonhadora eterna pelos aplausos das maiores casas de ópera, estimulava do mesmo modo, mas a muitos quilómetros de distância, a americana Florence Foster Jenkins, agora imortalizada no grande ecrã pela vencedora de três Óscares da Academia, Meryl Streep.

Uma diva fora do tom: Florence Foster Jenkins, que em Portugal estreará no primeiro dia de setembro, é realizado por Stephen Frears (o mesmo de Philomena, 2013, e A Rainha, 2006) e contará a história da amante de ópera que ficou conhecida como a rainha do grito.

A falta de talento não impediu Florence, como não parou Natália, de chegar ao topo do mundo artístico, mesmo que não pelas melhores razões.

Veja o trailer e compare as capacidades vocais das artistas portuguesa e americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.