Mercado de Natal no CCB oferece visitas guiadas às exposições

No domingo, o Mercado de Natal do CCB convida países estrangeiros a mostrar as suas tradições. Exposições do CCB e Museu Berardo têm entrada gratuita e visitas guiadas.

No próximo domingo, dia 21, o mercado que se realiza habitualmente no Centro Cultural de Belém é dedicado ao Natal. A edição especial conta com um palco no centro da Praça CCB, para além das 170 bancas habituais, e o espaço foi especialmente decorado para receber os países convidados a partilhar os seus costumes e tradições natalícias: Áustria, França e Turquia estarão representados através das embaixadas dos respetivos países e trazem a Lisboa artesanato e gastronomia típicas da época festiva, desde a sopa de Goulash ao Apfelstrudel.

A iniciativa, que é também um ponto de partida para as próximas edições do Mercado do CCB - a partir de 2015, contará sempre com um país convidado em cada edição - tem ainda para oferecer visitas guiadas, completamente gratuitas, às exposições 'Homeland, News From Portugal' e 'Carlo Scarpa. Túmulo Brion. Guido Guidi' na Garagem Sul do CCB. Para os mais interessados nas obras de arte do Museu Coleção Berardo, haverá também visitas de acesso livre a algumas das peças mais emblemáticas. Não é necessário inscrição prévia e o ponto de encontro para cada visita será na Praça CCB às 11.00, 12.00, 14.00, 15.00, 16.00 e 17.00 de domingo. Cada visita tem uma duração de 30 a 40 minutos.

O mercado do CCB realiza-se entre as 10h e as 18h e acontece sempre no primeiro domingo de cada mês. O mercado foi criado há dois anos e conta com oferta variada, da decoração à moda e ao design, antiguidades e até gastronomia.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.