Memórias e monstros da guerra

O CAPITÃO Robert Schwentke

O ponto de partida quase parece apelar ao pitoresco: Willi Herold (interpretado pelo excelente Max Hubacher) é um jovem soldado alemão à deriva nos tempos finais da Segunda Guerra Mundial... Quando encontra uma farda de capitão num veículo militar abandonado, decide vesti-la, cedo descobrindo que isso lhe confere um inusitado poder sobre a maior parte daqueles com que se cruza.

Em boa verdade, a pouco e pouco, descobrimos que estamos perante um conto trágico sobre a transfiguração do próprio Herold, administrando as potencialidades do seu guarda-roupa...

Inserindo-se num conjunto de narrativas que, em anos recentes, têm encenado a guerra para além das convenções clássicas do "filme de guerra", o trabalho de Robert Schwentke expõe, em última instância, a volubilidade humana e as suas monstruosas derivações.

Classificação: **** muito bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...