Memórias e monstros da guerra

O CAPITÃO Robert Schwentke

O ponto de partida quase parece apelar ao pitoresco: Willi Herold (interpretado pelo excelente Max Hubacher) é um jovem soldado alemão à deriva nos tempos finais da Segunda Guerra Mundial... Quando encontra uma farda de capitão num veículo militar abandonado, decide vesti-la, cedo descobrindo que isso lhe confere um inusitado poder sobre a maior parte daqueles com que se cruza.

Em boa verdade, a pouco e pouco, descobrimos que estamos perante um conto trágico sobre a transfiguração do próprio Herold, administrando as potencialidades do seu guarda-roupa...

Inserindo-se num conjunto de narrativas que, em anos recentes, têm encenado a guerra para além das convenções clássicas do "filme de guerra", o trabalho de Robert Schwentke expõe, em última instância, a volubilidade humana e as suas monstruosas derivações.

Classificação: **** muito bom

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.